quinta-feira, 29 de março de 2007

Glicerina gerada na produção do biodiesel terá novos usos


O crescimento da produção mundial de biodiesel está gerando um excedente de glicerina, subproduto da fabricação do biocombustível. Os preços estão despencando, e tendem a cair mais, porque os mercados tradicionais da glicerina têm uma capacidade limitada de absorção de quantidades maiores do produto.

Só para atender à demanda interna de biodiesel para a adição obrigatória de 5% ao diesel comum, o Brasil produzirá 2,6 milhões de toneladas do biocombustível por ano, gerando quase 300 mil toneladas de glicerina. Segundo o consultor da Safras & Mercado, Miguel Biegai Júnior, a demanda interna por glicerina em 2004, antes da queda de preços, era de 800 mil toneladas.

A solução, para especialistas como Biegai e o diretor-geral da Empresa Brasileira de Bioenergia (EBB), Marcelo Parente, está na criação de novos produtos à base de glicerina. Em parceria com a Universidade Federal do Ceará, a EBB já desenvolveu um hidrogel feito de glicerina para uso na agricultura, que absorve a água da chuva e impede que ela evapore, mas libera a água para a planta.

“Esse projeto existe há um ano e meio e já mostrou que dá certo em laboratório. Agora estamos partindo para os testes de campo”, afirma Parente. O empresário é filho de Expedito Parente, o criador do biodiesel nos anos 70, na época do programa Prodiesel. Segundo Marcelo, o hidrogel já existe em Israel, mas não é produzido a partir da glicerina.

A empresa de Expedito, a Tecbio, é fornecedora de usinas de biodiesel e tem na carteira de clientes a Brasil Ecodiesel, a maior empresa do setor no País. Marcelo Parente conta que está desenvolvendo com a empresa do pai um purificador contínuo de glicerina, para funcionar nas usinas transformando o subproduto impuro naquele próprio para as indústrias farmacêutica, de alimentos e de cosméticos.

“Há pouquíssimas indústrias que fazem essa purificação no Brasil, o que está limitando as possibilidades de uso da glicerina das usinas de biodiesel”, afirma o diretor da EBB.

No exterior, as pesquisas de novos usos para a glicerina chegam até a polímeros plásticos, informa o pesquisador Cláudio Bellaver, da unidade de Aves e Suínos da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Especializado em gorduras animais, as fontes tradicionais da glicerina, Bellaver afirmou ao DCI durante a Feira Nacional de Graxarias, na semana passada em São Paulo, que há também uma linha de pesquisa fora do País que busca uma utilidade do produto na nutrição animal, porém ainda sem conclusão.

Preços em queda livre
Sem mercado, o preço da glicerina está em queda livre. Nos últimos 18 meses, período de explosão na produção mundial de biodiesel, o preço internacional da glicerina despencou do patamar entre US$ 1 e US$ 1,10 por libra-peso para um intervalo entre US$ 0,35 e US$ 0,40, de acordo com a Safras & Mercado.

Mas Biegai, da Safras & Mercado, lembra que com preços mais baixos a glicerina passa a competir com outros produtos. Um mercado potencial é o do sorbitol, produto químico que, se substituído, geraria uma nova demanda por 300 a 400 mil toneladas de glicerina ao ano no Brasil. “Além disso, fabricantes de sabonete podem aumentar o uso de glicerina, o que é vantajoso porque melhora a qualidade de seu produto”, explica o analista.

“O grande sucesso do biodiesel só se concretizará quando a glicerina deixar de ser quase lixo para virar uma fonte de renda real para as usinas”, acredita Marcelo Parente. Enquanto isso, ele diz que produtores da Europa que não têm mais como estocar a glicerina, que não pode ser descartada no meio ambiente, estão queimando o produto nas caldeiras para a geração de energia. Biegai afirma que ainda não foi preciso adotar a medida no Brasil, mas pode não estar longe.

Fonte:

3 comentários:

Anônimo disse...

Maneiro!

Anônimo disse...

Vc ja pensou se o biodisel vira combustivel 100% nos postos de combustivel, o governo ira aproveitarv para subir o preço e dizer ao consumidor que ele paga por o preço da produção sendo que o gasto é minimo, desde q a materia prima seja doada. Brasileiros fiuem atento..

Bruna.gazzoni disse...

O uso de 100% de oleo é fritura é inviavel.... ñ tem materia prima suficiente nem para o B5... qnto mais para o B100....
E sim, se tiver B100 no posto o preço vai subir pq o custo de produção do biodiesel é maior ue o custo de producçao do diesel de petroleo.