sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Biodiesel de Gordura Humana

Inspirado no filme Clube da Luta, onde o personagem Tyler Durden, interpretado por Brad Pitt, rouba gordura de clínicas de lipoaspiração para fazer sabonetes, vendidos por ele em lojas de departamento de luxo, o médico americano Alan Bittner, da Beverly Hills Liposculture, transformava a gordura extraída em lipoaspirações em biodiesel.

Em um site dedicado à promoção da reciclagem da gordura de suas pacientes, Bittner defende a idéia: "A grande maioria das minhas pacientes pedem que eu use a gordura retirada delas como combustível - e eu tenho mais gordura do que preciso usar. Não apenas elas perdem a barriguinha, mas também fazem sua parte em salvar o planeta".


Veja a Matéria aqui

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Biodiesel da cana-de-açúcar será vendido para jatos

Brasília - A empresa de biotecnologia da Califórnia, Amyris Biotechnologies, e a trading brasileira de açúcar e álcool Crystalsev desenvolveram um biodiesel oriundo da cana-de-açúcar que será vendido como combustível para jatos a partir de 2010. De acordo com o principal executivo da Amyris, John Melo, produto será produzido no sudeste dos Estados Unidos.

Os cientistas da empresa criaram um processo dentro da levedura capaz de transformar o açúcar da cana em milhares de moléculas para fabricar biodiesel e combustível para jatos, segundo Melo. A companhia originalmente usava o processo para produzir matéria-prima para medicamentos contra a malária, segundo a agência Procana.

Em novembro, a Amyris inaugurou uma planta piloto em Emeryville para produção de diesel à base de hidrocarboneto renovável. A companhia planeja comercializar o produto em um ano. A planta produz o combustível em pequena escala, mas planeja o uso comercial mais amplo no Brasil em 2010. "Nosso diesel é um produto muito diferente do etanol", disse Melo.

A Amyris detém 70% da joint-venture e a trading brasileira, 30%. A meta da Amyris-Crystalsev é começar a produzir o diesel de cana em escala comercial a partir de julho de 2010 em alguma usina do grupo Santelisa Vale, acionista majoritário da Crystalsev. A usina Santa Elisa, localizada em Sertãozinho, no interior de São Paulo, fornece a cana para as pesquisas.

Fonte:

Usina de biodiesel em Alta Floresta deve iniciar produção ano que vem

A usina de biodiesel do projeto Biovale - desenvolvido pela Companhia de Produtores e Recuperadores da Bacia Amazônia – Coperba, pode iniciar, em 2009, a produção do biocombustível, previu o presidente Edegar Lammel, ex-secretário de Indústria e Comércio de Alta Floresta. Ele destacou, ao Só Notícias, que a construção da planta industrial ocorre por etapas e não há pressa para antecipar o processo. Até janeiro será entregue a área administrativa. “A parte de produção começa tão logo, porque estamos buscando recursos junto ao BNDES, Banco do Brasil, BASA. Esta precisa ser pensada a longo prazo”, declarou.

O volume estimado para a obra chega a R$5 milhões. A construção é área às margens da MT-208, sentido Alta Floresta-Carlinda. Anteriormente, seria no setor industrial da primeira cidade.

Produtores da região do Vale do Teles Pires (Alta Floresta, Apiacás, Carlinda, Nova Monte Verde, Nova Bandeirantes e Paranaíta) fornecerão a matéria-prima necessária, e a planta terá capacidade para atingir 30 mil litros ao dia. Famílias serão cadastradas.

“A meta é atuar em 2009/12 para cadastrar seis mil famílias parceiras na produção. Neste âmbito, será um consórcio entre o pinhão manso, algodão, outras oleaginosas que fazem parte da cadeia produtiva. O objetivo é incluir também o pinhão manso na recuperação de áreas”, estimou o presidente.

De acordo com Lammel, a companhia tem buscado parcerias com a Unemat, instituições e demais entidades visando pesquisar outras alternativas de matéria-prima na região para produzir biodiesel. “Temos que sair do binômio madeira e boi”, concluiu.

A Coperba tem 42 acionistas, entre os Estados de São Paulo, Paraná, e da região Norte de Mato Grosso.

Fonte:

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Conselho do FCO aprova R$ 160 milhões para usina de biodiesel em Nova Andradina

08/12/08 - O Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis do Fundo Constitucional de Financiamentos do Centro-Oeste (CEIF-FCO) aprovou a liberação de empréstimo de R$ 160 milhões para a instalação de usina de biodiesel em Nova Andradina, a 297 quilômetros de Campo Grande.

Os recursos serão concedidos a Brasil Bioenergia S/A, que implantará no município uma unidade produtora de biodiesel, óleo vegetal e sub-produtos como glicerina e farelo de soja.

A unidade será composta por duas linhas industriais. Na primeira será feito o esmagamento soja para a produção do óleo vegetal e farelo e na segunda, o óleo bruto com a adição de sebo animal passará por um processo de refino, que resultará no biodiesel e na glicerina.

Por ano, a usina deve produzir 115,5 milhões de litros de biodiesel, 11,6 mil toneladas de glicerina e 400 mil toneladas de farelo. A unidade deve gerar 140 empregos diretos e 3 mil indiretos.

Audiência

No dia 12 de novembro, a BBE realizou uma audiência pública em Nova Andradina para apresentar o projeto a comunidade e também o Relatório de Impactos Ambientais (RIMA).

A realização da audiência é uma exigência da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, das Cidades, do Planejamento, da Ciência e da Tecnologia (Semac) e do Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) para que seja concedida a Licença Prévia (LP) de instalação do empreendimento.

Anderson Viegas
Fonte: Canal da Cana
Da Agência

Mato Grosso lidera leilão de Biodesel da ANP

Mato Grosso foi o Estado que mais vendeu biodiesel no último leilão para comercialização do combustível, realizado pela Agência Nacional do Petróleo Gás Natural e Biocombustíveis. A oferta pública foi realizada no final de novembro, sendo que do total negociado que contabilizou 330 milhões de litros, as sete usinas mato-grossenses que participaram do leilão foram responsáveis pela venda de 24,5% do volume, o que corresponde a 80,830 milhões de litros.

A venda foi realizada no 12º Leilão de Biodiesel da ANP, que registrou a oferta de 33 unidades produtoras espalhadas por todo o país. Ao todo foram dois lotes, sendo que o preço de referência foi de R$ 2,40 por litro e o preço médio ponderado foi de R$ 2,385,93 no primeiro lote em que foi negociado 264 milhões de litros. O deságio médio foi de 0,59%. Já no segundo lote foram vendidos 66 milhões de litros, com deságio médio de 0,41%, cujo preço por litro foi de R$ 2,390,18.

Conforme dados da ANP, Mato Grosso conta com 22 usinas produtoras de biodiesel, cuja matéria-prima é óleo de soja, girassol, gordura animal entre outras. Juntas elas têm capacidade de produzir 932,022 milhões de litros de biodiesel por ano. Para o secretário de Estado de Indústria, Comércio, Minas e Energia, Pedro Nadaf, Mato Grosso tem grande potencial e atualmente é um dos maiores produtores do país.

"O biodiesel é o combustível do futuro, pois tem baixa quantidade de gases poluentes, assim como o etanol e por isso vários países estão de olho na produção nacional e principalmente a estadual", diz o secretário ao justificar a visita de embaixadores a Mato Grosso para conhecer a produção do combustível estadual.

O primeiro lote do leilão realizado em novembro, que somou 264 milhões de litros, foi destinado a empresas detentoras do Selo Combustível Social, previsto na Lei 11.097/2005. Do segundo, de 66 milhões de litros, participaram empresas que cumpriram os requisitos exigidos pela ANP, incluindo as que não possuem Selo Combustível Social. Conforme a agência, a ADM do Brasil, localizada no Estado, foi responsável por 14,9% das vendas, com 49,1 milhões de litros, se posicionando como a maior vendedora de biodiesel.

A realização do 12º leilões teve como finalidade atender à demanda gerada pela adição obrigatória de 3% de biodiesel ao óleo diesel vendido no Brasil no primeiro trimestre de 2009.

A Resolução número 2 do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), de 13/3/2008, determinou a adição obrigatória de 3% de biodiesel ao diesel comercializado no país, a partir de 1º de julho deste ano.

O uso comercial do biodiesel no Brasil foi autorizado em dezembro de 2004, inicialmente para a mistura B2. A previsão é que o percentual seja elevado para 5% (B5), também de forma obrigatória, a partir 2013. O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) é uma ação interministerial do governo federal, cujo objetivo é a implementação de forma sustentável, tanto técnica, como economicamente, da produção e do uso do biodiesel, com enfoque na inclusão social e no desenvolvimento regional, via geração de emprego e renda.

Fonte:

Da Agência

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Biocombustível em alta no mercado

27/11/08 - Irati, a 150 quilômetros de Curitiba (Paraná), recebeu uma boa notícia na semana passada. A cidade foi premiada pela logística privilegiada - visto que está próxima do Porto de Paranaguá, assim como da zona produtiva do estado - com um investimento de 300 milhões de euros. A Companhia Brasileira de Energias Alternativas e Renováveis (Cbear) - empresa de capital nacional - é a responsável pela boa notícia tanto para agricultores como para empresários da região. Portanto, estão enganados aqueles que acreditam que, com a baixa do petróleo, as energias renováveis voltam para o segundo plano. "A queda do preço do petróleo não prejudica os investimentos em fontes alternativas. O mundo está mudando a matriz energética no longo prazo e investindo em energia limpa", comenta Christianne Fullin, diretora executiva da Cbear.

O montante será utilizado na implantação de uma unidade de processamento de biocombustível que produzirá 50 mil toneladas por mês, ou 600 mil toneladas de biodiesel ao ano - destinados ao comércio exterior. Além disso, o município paranaense ganhará infra-estrutura de ramal ferroviário para escoar a produção até Paranaguá e laboratórios de tecnologia de extração. "É um projeto grande. Vamos transportar muito volume e não queremos prejudicar o estado, por isso estamos criando vias sustentáveis para a viabilização", conta Christianne. O primeiro embarque está agendado para fevereiro de 2010.

A unidade fará todo o processo de extração do grão até o processamento do biocombustível. Para isso, a empresa contará com a parceria de produtores locais de girassol e canola. No primeiro ciclo, entretanto, a soja será a principal matéria-prima. "Não queremos que os agricultores saiam desesperados plantando novas culturas. Estamos fazendo um trabalho de assessoria para que eles façam parte de um programa seguro e monitorado de plantio e qualidade. Dessa forma, ninguém terá prejuízo", conta Christianne. Ela ainda afirma que, uma vez bem aconselhados, os produtores poderão ter uma renda extra, além de vantagens de melhoria do solo, devido à rotação das culturas.


Fernanda Arechavaleta - 26/11/2008
Fonte: Revista Amanhã

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Biodiesel a partir de microrganismos

Com o aumento no preço do barril de petróleo e o decréscimo das suas reservas, o interesse em biocombustíveis, em particular em combustíveis renováveis vêm aumentando nos últimos anos.

Para a produção de biodiesel, diversas fontes de lipídios são consideradas, incluindo óleos vegetais, gorduras animais e óleos usados.

Entretanto, os óleos vegetais e gorduras usados são obtidos de fontes vegetais e animais. Assim, as plantas oleaginosas usadas devem ser plantas e colhidas, o que demanda energia, bem como áreas agriculturáveis consideráveis. Já os animais, devem ser alimentados, o que novamente demanda energia.

Caso seja usado óleo vegetal, o custo desta matéria prima usada para a produção de biodiesel está estimado em cerca de 70-85% do custo total de produção.

Assim, a redução do custo de produção torna-se um imperativo para o sucesso da produção de biodiesel.

O uso de microrganismos oleaginosos foi apresentado como uma fonte de óleos e gorduras de baixo custo.

Os microrganismos oleaginosos são definidos como aqueles que apresentam um conteúdo lipídico acima de 20%. Existem diversas variedades, tais como microalgas, bacilos, fungos e leveduras.

Os teores de lipídios variam entre 16 a 77% para microalgas, 18 até valores superiores a 40% para bactérias, entre 50 a 70% para leveduras e 50 a 85% para bolores.

As microalgas fornecem uma biomassa rica em ácidos ômega 3 e 6, ricos em C16 e C18, com instaturações D9, D12 e D15, comparáveis a óleos vegetais ricos em ácidos palmítico, linoléico, oléico e esteárico. Apresentam um crescimento extremamente rápido, dobrando a sua biomassa a cada 24 horas.

As bactérias, embora apresentem teores lipídicos menores que as microalgas, têm taxas de crescimento maiores e são cultivadas com mais facilidade.

Fungos e bolores também são produtores de lipídios, com teores de ácidos graxos saturados em torno de 44%, valor comparável a diversos óleos de origem vegetal.

Assim, a busca por microrganismos com altos teores de lipídios, em particular de ácidos graxos saturados, torna-se um caminho promissor para a diminuição dos custos de produção do biodiesel.



Fonte: MENG, X.; YANG, J.; Xu, X.; ZHANG, L.; Nie, Q.; XIAN, M. Biodiesel production from oleaginous microorganisms. Renewable Energy, 34, 1-5, 2009.



Usina produtora de biodiesel de microalga


Fonte: Blog do Carlos

Alto Araguaia torce para que fábrica da Agrenco desencante

Localizada no sudeste de Mato Grosso, bem na divisa com Goiás, a cidade foi uma das três escolhidas pela companhia para a construção das unidades de beneficiamento de grãos e produção de biodiesel, que foram tocadas simultaneamente. A de Mato Grosso foi a única a ser inaugurada - as outras, inacabadas, ficam em Caarapó (MS) e Marialva (PR).

800 convidados para a inauguração da unidade da Agrenco, em março deste ano.Poucos dias depois da solenidade começaram a espocar os burburinhos sobre dificuldades enfrentadas pela empresa. Atrasos em pagamentos por lotes de soja, por material usado na construção da fábrica, pela prestação de serviços. A apreensão tornou-se lamento quando as fofocas se confirmaram. Em questão de menos de dois anos, a companhia passou de rumor de investimento, a investimento, a receio e a, por fim, interrupção da produção. Nos tempos em que era investimento, a empresa chegou a ser chamada por alguns de "Santa Agrenco", beatificada como em uma frase de Robin no antigo seriado de televisão.

A crise da Agrenco ocorreu poucos meses depois de sua oferta pública inicial de ações. Boa parte dos R$ 666 milhões obtidos na operação foi usada para pagar empréstimo com o Crédit Suisse, banco que coordenou a oferta, e para capital de giro. De acordo com os dados de seu último balanço publicado, referente ao primeiro trimestre, a dívida líquida da companhia era de R$ 1,2 bilhão, quase tudo para vencer em 12 meses. No caixa havia apenas R$ 52, 5 milhões.

O calvário mostrou-se ainda mais íngreme. Antonio Iafelice, Antônio Augusto Pires Júnior e Francisco Ramos, então três dos principais executivos da companhia, foram presos em junho na Operação Influenza, da Polícia Federal, sob suspeitas de crimes que iam de sonegação fiscal a fraude de balanço. Parte das provas foi considerada nula pela Justiça três meses depois.

Alto Araguaia, distante 1.141 quilômetros do prédio da Bovespa, no centro de São Paulo, e 1.468 quilômetros de Itajaí (SC), epicentro das investigações da Operação Influenza, franzia a testa. O município calculava que, a partir de 2010, a receita gerada pela Agrenco, sozinha, seria de R$ 300 mil por mês - não está na conta a receita adicional esperada para o maior movimento no comércio e nos serviços. Para uma cidade com orçamento de pouco mais de R$ 35 milhões anuais, seria uma adição, de uma hora para outra, superior a 10%.

Jerônimo Samita Maia Neto (PR), o prefeito da cidade, fazia planos de, com a receita extra, criar uma faculdade municipal ou, ao menos, um curso técnico voltado às atividades rurais. Não que ele tenha perdido a esperança de que o projeto da Agrenco no município volte a andar. "Continuamos na expectativa", diz ele.

Menos mal que, em Alto Araguaia, cidade de cerca de 15 mil habitantes, faculdades há. Se as operações da Agrenco estivessem em pleno curso neste momento, como se esperava, ela estaria entre as estrelas da economia alto-araguaiense, mas não fulguraria sozinha. A esmagadora de soja da Louis Dreyfus fica logo depois da cerca. ABC, Bunge, ALL, Galvani, Cargill, Mosaic, todas têm atuação na cidade.

Mesmo com a interrupção do patrocínio, o Araguaia Atlético Clube foi campeão. Aeroporto novo ainda não há, mas os aviões, bem ou mal, têm uma pista para seus pousos. Multinacionais e grandes grupos nacionais estão lá. E, ainda que momentaneamente desprovida da receita extra esperada para uma faculdade municipal, a cidade tem opções de cursos universitários para seus vestibulandos.

As ressalvas podem fazer crer que a Agrenco seria apenas mais uma empresa na cidade. O sentimento no município, no entanto, não é esse. A unidade da companhia com a aura de um respirador que daria fôlego novo para a agricultura da cidade.

Com o aumento da demanda, aluguéis de casas de dois, três quartos, que saíam por R$ 400 mensais, passaram a ser fechados por até R$ 800. A planta funcionaria com 150 funcionários. Alguns pediram seu desligamento ao longo da crise, mas ao menos 120 permanecem em atividades de manutenção, segundo a empresa. "Uma coisa diferente da Agrenco em relação a outras empresas é que ela deu preferência à contratação de pessoas da cidade", diz Paulo Serafim, presidente do Sindicato Rural da cidade.

A empresa tornou possível o aproveitamento de vastas áreas de pastagens degradadas de Alto Araguaia, fator tido como um dos mais cruciais de sua presença no município. Foram arrendados quase 14 mi hectares para o plantio principalmente de braquiária. Reunida em fardos de 450 quilos e, depois de picada, queimada, a gramínea serviria para a produção de energia a partir da biomassa. Como a necessidade de energia para a operação da fábrica é inferior à capacidade total de geração, boa parte da energia seria vendida à Centrais Elétricas Mato-Grossenses (Cemat).

Uma subestação está pronta para fazer a distribuição externa, mas dentro da fábrica nem toda a estrutura pôde ser concluída. Com isso, no intervalo em que o beneficiamento de soja pôde ser feito, a unidade funcionou abastecida por óleo diesel. Faltou pouca coisa para a conclusão da caldeira para a queima de braquiária e para a instalação do picador que seria usado nos fardos da gramínea.

Por conta disso, milhares de toneladas de fardos de braquiária acumulam-se nas plantações e também na área de estocagem da fábrica. No total, são ao menos 50 mil toneladas, volume com o qual daria para tocar a fábrica por dois meses, segundo Marco Antonio de Modesti, executivo que passou a acumular as funções de diretor-presidente e de finanças e relações com investidores.

No campo, o maquinário (próprio, arrendado e terceirizado) usado para o enfardamento e também para a seleção de sementes de braquiária aguarda a hora de voltar a funcionar. O desolamento das máquinas paradas não chama a atenção sozinho. Vastos campos verdes, nos quais o plantio chegou a ser realizado, contrastam com ordinárias terras de pastagens. A despeito de estar do ladinho de Alto Taquari, cidade mato-grossense de boa terra argilosa, Alto Araguaia tem sob si uma terra arenosa, pouco convidativa ao plantio.

Em diálogos a esmo, não é raro ouvir na cidade "janeiro", a senha de que há algo bom por vir logo ali depois dos fogos de artifício. De oficial, contudo, nada existe. A empresa está em recuperação judicial desde setembro, anunciou a abertura de negociações para ser comprada por Louis Dreyfus, Glencore ou Noble. A Justiça receberá na quarta-feira a proposta elaborada pela companhia para sua própria retomada, mas ainda há ritos e assembléias a serem seguidos com os credores.

Fonte:

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Avião a biodiesel

13/11/08 - Líder na área de biodiesel nos EUA, a Lake Erie Biocombustíveis fez história com o patrocínio ao primeiro vôo transcontinental em um jato movido 100% a biodiesel. O avião, chamado BioJet I, cruzou os Estados Unidos de costa a costa.

A iniciativa foi organizada pela Green Flight International, fundada em 2006, para promover e incentivar o uso combustíveis que não agridam o meio ambiente na aviação. A avaliação da organização é que esse vôo representa um momento histórico na indústria do transporte de massas e mostra que o biocombustível é uma opção confiável para o futuro.


Carlos Gutierrez
Fonte: Globo Rural

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Agricultura familiar na cadeia produtiva do biodiesel

Agricultores de Conceição da Barra de Minas e de Claro das Poções (MG) comemoram as primeiras vendas do cultivo de mamona. Os produtores de Claro das Poções comercializaram 11 mil quilos de mamona com a Petrobras. Em Conceição da Barra de Minas, a produção de 5 toneladas foi vendida para Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Os agricultores de Claro das Poções obtiveram renda de R$9680 reais com a venda da mamona em coco (sem beneficiamento) para a estatal. O quilo do produto foi vendido a R$0,88. A safra de Conceição da Barra foi comercializada, como forma de incentivo, a R$1,01 para a UFLA, que utilizará a mamona em testes de laboratório.

Nas duas cidades o cultivo da oleaginosa é feito em conjunto com o plantio de alimentos. Em Claro das Poções a produção consorciada de arroz, feijão, abóbora, quiabo, amendoim e pimenta é voltada para a alimentação das famílias dos agricultores.

No município de Conceição da Barra de Minas, o projeto começou em 2007, quando 20 mulheres beneficiadas pelo projeto Bolsa Família foram selecionadas para plantar feijão e mamona em área de pasto degradado, cedida por produtores rurais do município.

Elas participaram de capacitações técnicas promovidas pela UFLA e do curso Cultura da Cooperação do Sebrae. Por meio da Cultura da Cooperação, as agricultoras criaram uma associação própria e estabeleceram critérios para o rateio da renda obtida com a produção.

O analista do Sebrae-MG, Leonardo Ivo informa que a intenção para 2009 é dobrar a área de cultivo e aplicar a metodologia em outras comunidades do Estado.

"Pretendemos implantar o conceito de indústria escola nas comunidades apoiadas. Nelas, transformaremos os grãos em óleo para agregar valor e vender para a indústria. Assim podemos incentivar a participação da agricultura familiar na cadeia produtiva do biodiesel e gerar trabalho e renda", comenta Leonardo Ivo.

Os dois grupos de agricultores são apoiados pelo projeto de produção de biodiesel do Sebrae-MG. Os objetivos são a inclusão de pequenos agricultores na cadeia produtiva do biodiesel e o incentivo do plantio consorciado de alimentos e bioenergia.

A iniciativa conta com a parceria da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), UFLA e Ministério de Desenvolvimento Agrário, que convidou os produtores mineiros para participar da V Feira de Agricultura Familiar, de 26 a 30 de novembro, no Rio de Janeiro

Do:

Grupo norte-americano compra indústria goiana de Biodiesel

22/10/08 - A grupo norte-americano Verde Bio Fuels Inc adquiriu a Bionorte Indústria e Comércio de Biodiesel Ltda , instalada em São Miguel do Araguaia/GO. A companhia pretende aportar mais de R$ 100 milhões para dar início ao processo de fabricação de biocombustível da Bionorte a partir de soja, algodão e sebo de boi, além de etanol. A capacidade inicial de produção da fábrica é de 30 mil toneladas por ano.

O secretário estadual de Planejamento e Desenvolvimento, Oton Nascimento Júnior, explica que o grupo, cuja holding no Brasil (Verde Brasil) está em processo de formação, manifestou interesse em mais investimentos na região e em Mato Grosso. "Solicitaram equipes técnicas para viabilizar produção de etanol e alimentos."

Segundo Oton, a aquisição faz parte do processo de globalização do Estado, cujo salto será ainda maior com a Ferrovia Norte-Sul e o alcoolduto em operação. "Os americanos estão felizes de chegar neste momento em Goiás, pois vão precisar de frete barato daqui a dois anos. E teremos condições de oferecer logística competitiva."

Para o prefeito de São Miguel do Araguaia, Ademir Cardoso, o projeto da Bionorte representa o início da industrialização do município. Será a segunda planta industrial a entrar em funcionamento, depois do Frigorífico São Miguel do Araguaia.

Empregos

A entrada em operação da fábrica deve criar cerca de 60 empregos para trabalhadores de alta especialização, como engenheiros e técnicos. Diretor Industrial e de Operações da Bionorte, Flávio Nascimento diz que parte da produção de biocombustível será vendida para a Petrobras. Em segundo momento, a outra parte será destinada ao mercado global.

Comunicado foi feito durante reunião ontem com os empresários norte-americanos Sam Bel, da Verde Bio Fuels Inc, e Coyt M. Karrinker, da Bio-System Internactional. Presentes o secretário estadual da Indústria e Comércio, Luiz Medeiros, diretores da XES, empresa de Bauru (SP) que pertence à holding, e Wagner Calicchio de Campos, ex-proprietário da Bionorte, agora sócio minoritário dos norte-americanos. Além do empreendimento no interior paulista, o grupo tem empresa na Índia, a Chena. A intenção é integrar os negócios de bioenergia do Brasil, Índia e Estados Unidos.

De acordo com Sam Bell, a crise financeira internacional não afeta os planos da holding. A Bionorte está pronta para operar. De início serão usados como matéria-prima óleo de algodão e sebo bovino.

Fonte: Diário da Manhã - Goiânia/GO

Governo reduz tributo na importação de biodiesel

23/10/08 - O governo reduziu por meio de decreto alíquotas de tributos incidentes sobre a importação de biodiesel. De acordo com a assessoria do Ministério de Minas e Energia, a decisão nada tem a ver com um possível incentivo à compra do combustível, mas apenas para adequar o setor à legislação, já que houve uma redução na carga tributária incidente sobre o diesel e, pela lei, não pode haver diferença entre os dois.

O País vai seguir sem importar um litro sequer de biodiesel. A produção local é suficiente para atender à mistura de 3% ao diesel (o chamado B3) e o governo deve mesmo antecipar a adoção do B5, especialmente porque a Petrobrás vem investindo pesado e criou uma subsidiária somente para biocombustíveis. Além da usina de biodiesel de Candeias (BA), Quixadá (CE) e Montes Claros (MG), com capacidade total de produção de 170 milhões de litros por ano, a meta da empresa é produzir 940 milhões de litros de biodiesel em 2012, o que daria 75% da necessidade do País com o B3 e quase 50%, quando for adotado o B5, inicialmente previsto para 2013. A usina de Quixadá, por sinal, entregou nestq quarta-feira sua primeira produção. O carregamento saiu com 73 mil litros de biodiesel da unidade.

O Decreto nº 6.606 reduziu as alíquotas do PIS, Pasep e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) para a importação e comercialização de biodiesel. O coeficiente fica em 0,7357. Com isso as alíquotas dos três encargos incidentes sobre a importação e receita bruta obtida com a venda de biodiesel no mercado interno ficam reduzidas, respectivamente, para R$ 31,75 e R$ 146,20.


Fonte: Mercado Carbono - Terra

Biodiesel-Duto em teste nos EUA

A norte-americana Kinder Morgan Energy (KMP) realiza testes para avaliar o transporte comercial de biodiesel por dutos nos EUA. A expectativa é que o o resultado do trabalho seja conhecido até o final do ano. A experiência envolve o B-5 em um trecho do sistema Plantation Pipe Line, que leva gasolina e diesel do estado do Mississipi à Carolina do Sul. A companhia também analisa o transporte em Oregon.

A partir de novembro, a KMP pretende começar outro empreendimento: o escoamento de etanol através de uma tubulação de 40 cm entre Tampa e Orlando, na Flórida. O ramal também levará gasolina. Os testes das adaptações do tubo duraram 18 meses e foram concluídos recentemente. Cerca de 5 mil barris do álcool passaram pelo equipamento no início de outubro.

Até agora, o transporte de biocombustíveis nos Estados Unidos ocorria apenas por caminhões-tanque, vagões de trem e embarcações. A companhia já investiu mais de US$ 60 milhões em projetos ligados ao serviço de condução do álcool, que incluem alteração em tanques e expansão do serviço em vários terminais.

Fonte: EnergiaHoje

Pesquisa avalia adição de glicerol, subproduto de biodiesel, na alimentação de suínos

11/11/08 - A produção de biodiesel é um tema recorrente. O emprego desta fonte alternativa de energia tem dominado discursos políticos e aquecido o debate sobre o posicionamento do país diante da cena energética global. Mas em paralelo às discussões de caráter geopolítico, há a preocupação presente em todo processo industrial: o que fazer com o subproduto?

Se a produção de biocombustíveis atingir a escala industrial, os setores econômicos que absorvem o glicerol que sobra da reação entre óleos vegetais e gorduras animais com álcool, podem não comportar um volume tão amplo e a necessidade de encontrar novos destinos para este subproduto de forte impacto ambiental será uma questão urgente.

Uma das alternativas de destino para o glicerol em excesso pode ser o emprego deste na alimentação animal. Na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (USP/ ESALQ), uma pesquisa avaliou a utilização de glicerol na dieta de suínos em crescimento e terminação. Realizada no Laboratório de Não Ruminantes, do departamento de Zootecnia (LZT), o trabalho observou o impacto da adição de até 9% de glicerol na dieta de suínos em crescimento e terminação considerando as características de carcaça e da qualidade da carne.

Bernardo Berenchtein, autor do estudo, explica que foram utilizados 64 animais de linhagem industrial com peso médio inicial de 33 kg. Os animais foram distribuídos em 32 baias de acordo com o sexo e peso inicial, recebendo, respectivamente, níveis de 0, 3, 6 e 9% de glicerol na ração. Em cada uma das três fases, crescimento I (33 a 65,00 kg), crescimento II (65 a 85 kg) e terminação (85 a 99,97 kg), os animais receberam rações balanceadas e água à vontade.

Ao atingirem cerca de 100 kg, os animais foram abatidos e as carcaças avaliadas quanto ao comprimento, espessura de toicinho e área do lombo. Segundo o pesquisador, a qualidade da carne não foi comprometida. “De modo geral, o glicerol pode ser utilizado como ingrediente energético de rações de suínos em crescimento e terminação até o nível de 9%, sem afetar sensivelmente o desempenho e a qualidade. Amostras do músculo do lombo foram enviadas ao Laboratório de Qualidade e Processamento de Carnes do departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição (LAN) da ESALQ para medição do pH, cor e perda de água e os resultados mostram que o glicerol não interfere de fato o produto final.

De acordo com Valdomiro Shigueru Miyada, docente do departamento de Zootecnia (LZT) que orientou a pesquisa, os resultados são importantes na medida que fornece indícios positivos ao destino de um subproduto. “Para os animais não é necessário o nível de pureza exigida ao consumo dos seres humanos, ficando claro que o glicerol pode ser adicionado de maneira satisfatória na alimentação animal sem a necessidade de um processamento tão rigoroso, já que não compromete a qualidade da carne suína”, enfatiza.

O barateamento do processo se mostra possível já que fora empregado porções de glicerol semi purificado proveniente de sebo bovino. Além disso, incluir o glicerol implica na diminuição da dependência do milho, o que permite baixar o custo de produção, considerando que a alimentação representa cerca de 75% do custo total.


Fonte: Esalq

Projeto pioneiro no País inicia operação em Cuiabá

Primeira usina do País construída por produtores rurais e a maior planta a utilizar tecnologia totalmente nacional, começou a operar ontem, no Distrito Industrial de Cuiabá, a Cooperbio. Com capacidade total de produção de 400 mil litros/dia - 12 milhões de litros/mês – a planta está concebida para atender às necessidade dos produtores de algodão e soja, que têm como meta reduzir os custos com os combustíveis nas lavouras. A produção será comercializada via leilões da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O projeto demandou investimento de R$ 30 milhões, sendo R$ 24 milhões do Fundo de Apoio à Cultura do Algodão (Facual) e R$ 6 milhões custeados pelos 400 grupos de produtores associados ao projeto.

De acordo com o presidente da Cooperativa, João Luiz Pessa, ao contrário de outras usinas que utilizam o álcool de petróleo como reagente, a Cooperbio trabalha com o álcool de cana-de-açúcar e pode utilizar não apenas a soja e o algodão como matéria-prima. “Podemos operar com qualquer gordura animal ou vegetal e até mesmo com a gordura utilizada e depois desprezada pelos restaurantes”, diz. Segundo ele, já há um programa junto aos proprietários de restaurantes para a compra da chamada gordura suja.

A meta inicial da usina era direcionar a produção para o atendimento aos produtores em suas próprias lavouras, com o objetivo de reduzir o custo com o combustível que hoje abocanha 12% de todo o investimento feito a cada safra. No entanto, uma análise mais profunda do mercado fez mudar o destino final da produção. O biodiesel da usina será comercializado nos leilões da ANP. Os recursos arrecadados serão aplicados na compra do diesel usado nas lavouras. “O custo para a venda do biodiesel é maior, então é mais vantajoso vender o nosso produto para comprar o diesel”, revela o presidente da cooperativa.

Apesar da turbulência econômica, Pessa tem boas perspectivas para 2009. “Temos um mercado garantido, e para nós quanto mais baixar a matéria-prima melhor fica a viabilização do nosso produto”, afirma.


Tania Nara Melo
Fonte:

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Valtra deve anunciar resultados dos testes com biodiesel 100% (B100) até o fim do ano

Pioneira em pesquisa e desenvolvimento do uso de biodiesel em tratores, a Valtra pretende anunciar os resultados dos testes com B100 até o fim do ano. Os testes a campo, na Usina Barralcool, em Barra do Bugres (MT), superaram as 4.000 horas de trabalho previstas. “No próximo mês, os motores serão abertos para avaliação de consumo, desempenho e desgaste de componentes”, conta o coordenador de Marketing de Produto da Valtra, Rogério Zanotto.

“Pretendemos completar este ano a última fase de avaliação dos testes com B-100 e liberar o uso deste combustível em 2009”, informa. “Tudo indica que o B-100 funcione normalmente no motor diesel normal, com pequenas modificações.” O executivo acrescenta que qualquer modelo que tenha motor Sisu Diesel, fabricado pela Valtra, poderá ser abastecido com B-100, depois de aprovada a sua liberação de uso, desde que o biodiesel seja especificado pela Agência Nacional de Petróleo (ANP), segundo a norma 42/2004.

Em 2001 a Valtra saiu na frente e firmou parcerias para a pesquisa e o desenvolvimento do uso de biodiesel em seus tratores. Quatro anos depois, iniciou os testes de campo para avaliar as vantagens e eventuais riscos do uso de biodiesel como combustível em tratores. Inicialmente, foi testado o sistema de injeção dos tratores, e avaliado os desgastes dos componentes e a longevidade do motor com misturas de 5% e 20% de biodiesel ao diesel.

Em maio do ano passado, após 18 meses de testes de campo na Usina Catanduva, em São Paulo, a Valtra liberou oficialmente o uso de B-20 (20% de biodiesel e 80% de diesel) em seus tratores, com garantia de fábrica. E, em março deste ano, a empresa iniciou os testes a campo na Barralcool. Na usina, dois tratores Valtra BH 180 participaram dos trabalhos nos canaviais para testar seu desempenho com os combustíveis B-50 (50% de biodiesel e 50% de diesel) e B-100 (100% biodiesel). Um terceiro Valtra BH 180, abastecido com 100% de diesel, serve como referência para o projeto.

Segundo Zanotto, o Projeto Biodiesel Valtra foi resultado de uma parceria entre a empresa e entidades e instituições do setor agrícola. “A Valtra sempre esteve à frente no desenvolvimento de projetos que incentivam o uso de fontes de energias limpas e renováveis, para comprovar a viabilidade do uso de biocombustíveis como uma alternativa permanente para preservação ao meio ambiente.”


Em dezembro, começa a avaliação dos motores para determinar consumo, desempenho e desgaste de componentes

Linha do tempo Projeto Biodiesel

2001 - Tese de mestrado, iniciada 2001, na Faculdade de Agronomia e Veterinária de Jaboticabal com trator Valtra BM100 avalia diversos níveis e tipos de biodiesel transesterificado para determinação de consumo e desempenho.

2005 - Início dos testes com B-20 em seus tratores BH 180.

2007 - Em maio, depois de 18 meses de testes de campo, a Valtra liberou oficialmente o uso do B-20 (20% de biodiesel e 80% de diesel) em seus tratores, com garantia de fábrica, sendo a primeira do Brasil a ser autorizada a trabalhar com essa mistura.

2007 - Início dos trabalhos em diversas operações agrícolas com tratores Valtra na Usina Barralcool, em Barra do Bugres /MT, avaliando dois níveis (B-50 e B-100) e tipos de biodiesel transertificado (soja e sebo animal).

2008 - Em novembro, terminam os testes a campo com B-50 e B-100 e, em dezembro, começa a avaliação dos motores para determinar consumo, desempenho e desgaste de componentes.

Perfil da Valtra - A linha de produtos Valtra inclui tratores de 50 a 210 cavalos, colheitadeiras e plantadeiras. A empresa é líder no segmento canavieiro, está no Brasil desde 1960 e conta hoje com uma rede de 70 concessionárias no País e cerca de 170 pontos de venda, além de 56 distribuidores nos demais países da América Latina. Exporta para mais de 60 países. A Valtra é umas das marcas pertencentes à AGCO Corporation.

Perfil da AGCO - Fundada em 1990, a AGCO Corporation (NYSE: AG) (www.agcocorp.com) é uma fabricante mundial de equipamentos agrícolas e peças de reposição relacionadas. A AGCO oferece uma linha completa de produtos, incluindo tratores, colheitadeiras, equipamentos para fenação e forragem, equipamentos de preparo do solo e implementos, que são distribuídos através de mais de 3.000 concessionárias e distribuidores independentes em mais de 140 países. Os produtos AGCO são vendidos através das marcas principais da AGCO: Challenger®, Fendt®, Massey Ferguson® e Valtra®. A AGCO oferece financiamento através do AGCO Finance. A Empresa fica sediada em Duluth, Geórgia e em 2007 teve uma receita líquida de vendas de $6,8 bilhões.


Fonte:

Da Agência

Binatural duplica unidade de biodiesel

O Grupo União está investindo cerca de R$ 15 milhões para duplicar a capacidade de produção de sua planta de biodiesel, a Binatural, instalada em Formosa (GO). "A partir de dezembro a unidade vai passar a produzir 150 metros cúbicos de biodiesel por dia [ante 80 metros cúbicos], o que garantirá uma capacidade de 50 milhões de litros por ano", afirmou Francisco Lavor, presidente do grupo.

Inaugurada em 2007, a planta produz biodiesel a partir de óleo de algodão, soja e também de sebo. "Vamos participar no início de 2009 dos leilões da ANP [Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis] para a venda do produto", adiantou Lavor.

Desde 2001, quando entrou no mercado de energia, ao criar a subsidiária União Energia, o grupo está diversificando seus negócios. Também no ano passado o Grupo União tornou-se sócio da Destilaria Alda, instalada em Goiás, e controlada pelo empresário Alberto Koury Júnior, marcando a entrada da companhia na produção de álcool. "Vamos dobrar a moagem de cana nesta safra para cerca de 800 mil toneladas. A expectativa é de que em 2010 a planta processe 1,5 milhão de toneladas de cana".

Assim como boa parte das usinas do setor, os planos de expansão na destilaria estão com o freio de mão puxado devido à conjuntura adversa. "Fizemos investimentos no ano passado na parte agrícola", disse Lavor.

Ainda neste segmento, o grupo realizará no início de dezembro leilão no mercado livre para a venda de energia a partir da biomassa, em parceria com a BBM (Bolsa Brasileira de Mercadorias). Em 2009, o grupo pretende ofertar energia de suas PCHs (Pequena Central Hidrelétrica) no mercado.

Neste ano, a companhia comemora 25 anos. Fundado originalmente como uma corretora de commodities, o Grupo União também atua em operações de fusões e aquisições. "Há muitos mandatos de vendas de usina, mas o mercado está parado."


Mônica Scaramuzzo
Fonte:
Da Agência

Queda no preço dos insumos impulsiona setor de biodiesel

07/11/08 - Na contramão da crise que atinge quase todos os setores do agronegócio o segmento de biodiesel reverte a tendência de paralisação nos investimentos e vive momento de expansão. A queda dos preços dos insumos no mercado internacional aliada a uma demanda interna firme está garantindo lucro às indústrias do setor que continuam com o preço de venda do produto fixado pelos leilões da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Veja a Matéria aqui

Maior usina de biodiesel do MT entra em operação

A maior usina de biodiesel do Mato Grosso, em volume de produção, e a maior da América Latina, em tecnologia empregada, a Cooperativa de Biocombustivel (Cooperbio) entrou em operação em caráter experimental nesta segunda-feira (10), em Cuiabá.

A fábrica foi instalada no Distrito Industrial da cidade, com um investimento de R$ 30 milhões, sendo R$ 6 milhões dos produtores da Associação Mato-Grossense dos Produtores de Algodão (AMPA) e da Associação dos Produtores de Soja do Estado de Mato Grosso (Aprosoja/MT) e R$ 24 milhões do Fundo de Apoio a Cultura do Algodão.

Durante o teste de operação, a usina estará produzindo diariamente 100 mil litros de biodiesel, mas quando estiver operando com capacidade total deverá fabricar 350 mil litros por dia, o que representa uma produção mensal de 10,5 milhões de litros e anual de 126 milhões de litros.

Segundo o presidente da Cooperbio, João Luiz Pessa, inicialmente a usina funcionará produzindo o biodiesel a partir do algodão e da soja, em razão da grande produção mato-grossense das duas culturas, mas a planta tem capacidade para processar o biocombustível a partir de qualquer sub-produto animal e de outros vegetais, como o girassol e o pinhão manso, por exemplo.

Instrumento da cooperativa

O destino da produção da usina será definido, conforme o presidente da Cooperativa, pelos mais de 400 grupos de associados.

“Se eles entenderem que o preço do biodiesel está bom no mercado, então vamos produzir mais. Se eles acharem que o preço do biocombustível está baixo e o do diesel que eles usam em suas máquinas está muito alto, então vamos destinar a produção para eles. Se eles acharem que compensa mais vender o caroço do algodão e o farelo da soja, do que produzir o biodiesel, então vamos diminuir a produção. A usina é um instrumento deles”, frisa.

Tecnologia nacional

A usina foi construída utilizando tecnologia nacional, desenvolvida pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

“Quando abrimos o edital para a construção da usina recebemos várias propostas, inclusive de algumas instituições do exterior, mas optamos pelo pacote oferecido pela Unicamp porque nos garantia o uso de um catalisador nacional; que o biodiesel não seria lavado, ou seja, que não teríamos efluentes e nem risco ao meio ambiente e que no processo poderia ser utilizado tanto o álcool metílico, obtido do petróleo, quanto o álcool etílico, que é o da cana-de-açúcar, o que nós dá a opção em caso de alta de um ou de outro”, explica.

Licença

Pessa diz que os técnicos da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) vistoriaram a unidade e que dentro de no máximo uma semana o órgão deve conceder a licença de comercialização, possibilitando a venda do biodiesel produzido.

Fonte:

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Rio terá biodiesel de esgoto

03/11/08 - A companhia de saneamento do Rio, Cedae, pretende iniciar no ano que vem a produção de biodiesel a partir de esgoto. O projeto, ainda em fase piloto, vai consumir investimentos de US$ 3 milhões para a produção de até 20 mil litros do combustível por mês. Com adição obrigatória de 3% de biodiesel para cada litro de diesel de petróleo vendido nos postos brasileiros, há uma demanda anual de 1,2 bilhão de litros do combustível orgânico. O potencial para produção desse tipo de biodiesel chega a 1,5 milhão de litros por ano, caso 100% do esgoto do País fosse tratado. Atualmente, pode-se projetar 40% desse total.

Segundo o presidente da Cedae, Wagner Victer, a idéia é atrair parceiros para a produção em escala comercial no futuro. “Não tenho dúvida de que este tipo de aproveitamento de resíduos orgânicos vai ganhar importância na produção de energéticos”, disse Victer, lembrando que tais matérias-primas não competem com a produção de alimentos, uma das principais críticas à produção do biodiesel a partir de oleaginosas.

A usina-piloto será instalada na unidade de tratamento de esgoto Fazenda Alegria, no Caju, zona portuária do Rio. Para o presidente da Cedae, a proximidade com o mercado consumidor será uma grande vantagem competitiva do biodiesel a partir do esgoto. “A produção tradicional é muito espalhada. Produzir dentro da região metropolitana representa um ganho logístico enorme”. A tecnologia empregada na usina vem da Alemanha, disse Victer. No Brasil, o potencial para produção de biodiesel a partir do esgoto chegaria a 1,5 milhão de litros por ano, caso 100% do esgoto do País fosse tratado. Atualmente, pode-se projetar um potencial de 40% desse total.

Com a adição obrigatória de 3% de biodiesel a cada litro de diesel de petróleo vendido nos postos brasileiros, vigente a partir de junho, há uma demanda anual por 1,2 bilhão de litros do combustível de origem orgânica. Atualmente, a maior parte da produção é feita a partir do óleo de soja, com alguma participação de outras oleaginosas, como a mamona.


Fonte:

CMPA obtém o 1º lugar na Feira de Ciências do IME com Biodiesel

Com o Projeto Biodiesel, o CMPA obteve o primeiro lugar na Feira de Ciências do Instituto Militar de Engenharia (IME), realizada de 20 a 24 de outubro. O IME, além de ser a mais antiga escola de engenharia brasileira, é uma das mais conceituadas universidades do País, sendo referência no campo da engenharia.

O projeto vitorioso permite a reutilização e a transformação do resíduo da fritura produzida no CMPA, utilizando-a como fonte de um combustível limpo e renovável chamado de Biodiesel.

Participaram do evento, os Colégios Militares do Rio de Janeiro, Juiz de Fora, Curitiba, Santa Maria e Porto Alegre, além da Fundação Osório, somando ao todo 12 trabalhos, previamente selecionados pela Diretoria de Ensino Preparatório e Assistencial (DEPA).

Os alunos componentes da equipe são: João Augusto da Silveira Aguiar e Amanda de Mello Hüther, do 2º Ano, Fernanda Luíza Butha, do 1º Ano, e Caroline Radiccione, do 9º Ano. A orientadora é a professora de Química Doutora Maria Inês Soares Melecchi e o acompanhamento administrativo foi realizado pela professora de Biologia 2º Tenente Léa Aparecida Bendik Rech.

A Feira de Ciências e Tecnologia foi visitada pelo Gen Div Marco Antônio de Farias, Dir etor de Ensino Preparatório e Assistencial, pelo Gen Bda Emílio Carlos Acocella, comandante do IME, pelo Gen Ex R/1 Ney da Silva Oliveira, presidente da Fundação Osório, e por oficiais, professores, alunos e praças do IME.

Fonte: Colegio Militar de Porto Alegre Por Cel Araujo
28 / 10 / 2008

domingo, 2 de novembro de 2008

Deu no Diario Oficial: Como fazer caipirinha

Após abrir campanha nacional contra o álcool nas estradas, o governo brasileiro resolve ensinar como prepara uma autêntica caipirinha.

Às vésperas do fim de semana, o Ministério da Agricultura resolveu ensinar aos apreciadores de bebidas alcoólicas a preparar uma autêntica caipirinha, bebida feita à base de cachaça, limão e açúcar, e que é capaz de alegrar até os mais preocupados com os rumos da economia brasileira em tempos de crise mundial. Para o Ministério, não basta misturar os três ingredientes aleatoriamente. É preciso ter critérios, como deixa claro o artigo 4º da Instrução Normativa (IN) 55, publicada na edição de ontem do Diário Oficial da União e assinada pelo ministro Reinhold Stephanes.

Para o ministério, só será definida como caipirinha "a bebida preparada por meio de processo tecnológico adequado que assegure a sua apresentação e conservação até o momento do consumo". Também foram detalhadas as características de cada um dos ingredientes. "O açúcar aqui permitido é a sacarose - açúcar cristal ou refinado -, que poderá ser substituída total ou parcialmente por açúcar invertido e glicose, em quantidade não superior a cento e cinqüenta gramas por litro e não inferior a dez gramas por litro, não podendo ser substituída por edulcorantes sintéticos ou naturais", ensina o governo.

O limão utilizado poderá ser adicionado na forma desidratada e deverá estar presente na proporção mínima de um por cento de suco de limão, lembra a IN. Mas não vale qualquer limão: "com no mínimo cinco por cento de acidez titulável em ácido cítrico, expressa em gramas por cem gramas". Para aqueles que não têm o hábito de consumir caipirinha, o governo abre a brecha para um refresco. "Ingrediente opcional - água". Ainda segundo o ministério, a bebida alcoólica e não alcoólica utilizada na elaboração da batida deverá atender ao seu respectivo padrão de identidade e qualidade definido na legislação vigente.

Para quem não gosta de caipirinha, o ministério oferece dicas sobre outros tipos de bebidas alcoólicas, inclusive para aqueles que não sentiram os efeitos da crise financeira. "Poderá ser denominado de licor de ouro o licor que contiver lâminas de ouro puro". A IN também traz informações sobre a produção de bebida alcoólica mista aromatizada gaseificada, que também é conhecida como "cocktail".

Erro

Apesar do sucesso garantido da IN em plena sexta-feira, a área técnica do ministério informou que o texto foi publicado erroneamente no Diário Oficial, explicando que o governo está revisando os padrões de bebidas e que a IN faz parte desse processo. "Não é um texto definitivo. A idéia era colocá-lo em consulta pública, mas houve erro e a instrução normativa foi publicada hoje (ontem)", contou, de forma acanhada, um técnico da pasta.

O governo pretende ouvir a opinião de especialistas e da sociedade sobre o tema por um período de 30 dias, possivelmente a partir da semana que vem. É o momento que as pessoas poderão dizer se concordam ou não com o que foi definido pelo governo.


Resta agora saber como fica a questão do bafômetro, quem seguir a IN à risca poderá beber e dirigir dentro da Lei.

Isso é Brasil

sábado, 1 de novembro de 2008

Produtor rural pode produzir Biodiesel para consumo próprio

A Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira (29), o projeto de lei 3.336/08, de autoria do deputado federal Luis Carlos Heinze (PP-RS), que autoriza os agricultores a produzirem biodiesel para consumo próprio.

A proposta que modifica a lei 11.116/05, permite ainda que as associações e cooperativas agropecuárias transformem grãos em biodiesel para uso de seus associados sem a obrigatoriedade do Registro Especial na Receita Federal. Heinze observa que a medida proporcionará redução dos custos de produção com reflexos positivos na renda do produtor e no preço dos alimentos e das matérias-primas oriundas do meio rural.

"É fundamental que se busque reduzir as despesas. Fato que é importante não apenas para os produtores rurais, mas para toda a sociedade. Com um custo menor os produtores poderão gerar mais renda, empregos e ainda aumentar a produção agrícola", explica o parlamentar.

Luis Carlos Heinze lembra que o consumo de óleo diesel pelo setor agropecuário chega a 5,6 bilhões de litros por ano. Segundo ele, esse combustível foi responsável por 56,7% da energia consumida pelo setor em 2006.

"O grande volume de óleo utilizado na produção agrícola, absolutamente necessário, gera grandes quantidades de gases que agravam o efeito estufa, o que provoca o aquecimento do planeta", afirma o parlamentar.

Para Heinze, a substituição do combustível fóssil por um biocombustível produzido a partir de biomassa renovável "proporcionará grandes benefícios ambientais".

No mesmo PL, Heinze também propõe a não incidência da contribuição para o PIS/Pasep e a Cofins sobre o volume de biodiesel produzido para o consumo próprio ou do grupo de produtores associados. "Com isso os produtores rurais terão maior autonomia, isoladamente ou organizados em sociedades, para produzirem parte do combustível utilizado em suas atividades, evitando, ainda, o trânsito desnecessário do óleo das áreas rurais para as refinarias e destas, de volta para o campo", argumenta Heinze.

O projeto que tramita em caráter conclusivo - não precisa ser apreciado em plenário - será encaminhado agora para as comissões de Minas e Energia; Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Com informações da Imprensa Parlamentar. (AB)

Fonte:

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Para a pureza do Biodiesel

Com a produção em alta, o biodiesel tem nos sistemas filtrantes um grande auxiliar para chegar ao padrão de pureza e qualidade

A pesquisa em torno do biodiesel vem desde o início do século passado. De lá pra cá, foram muitos estudos para engendrar esta que é a opção de combustível biodegradável, derivado especialmente de fontes renováveis. Porém, o mercado de biodiesel começou a ser estruturado no Brasil somente em 2005, logo depois do lançamento do Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel. Por esse motivo, alguns processos ainda estão em fase de adaptação e testes, seja na questão do abastecimento do veículo ou até mesmo no know-how de produção - como a utilização e o aumento da demanda dos filtros para obter o produto final puro e com qualidade.

Veja a Matéria aqui

O aumento da produção de biodiesel pode reduzir exportações de óleo de soja

SAFRAS (29) - O rápido crescimento da produção de biodiesel no Brasil poderá reduzir as exportações de óleo de soja do país, abrindo espaço assim para as importações de óleo de palma, conforme avaliação da publicação Oil World. A partir de julho, a produção de biodiesel cresceu com um ritmo maior que o esperado, devido à decisão do governo de aumentar a mistura obrigatória ao diesel, para um índice de 3%.

Entre janeiro e agosto, a produção de biodiesel cresceu mais de três vezes na comparação anual, atingindo 580 mil toneladas, e deverá provavelmente atingir entre 950 mil a 980 mil toneladas no acumulado do ano, ante as 353 mil toneladas de 2007, de acordo com a Oil World. A publicação destacou ainda que o Brasil está avaliando aumentar para 4% a adição obrigatória de biodiesel ao diesel a partir de 2009.

As informações partem da Real News

Fonte:

Veja tambem:

Relação entre os mercados de biodiesel e da soja

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Tomba uma carreta que transportava 61 mil litros de biodisel

Uma carreta com placas de Maringá (PR) carregada de biodiesel tombou no km 211 da RSC 470, após colidir com um veículo Corsa, na tarde de sexta-feira. Segundo a Polícia Rodoviária Estadual, o caminhão bateu no carro antes de tombar para fora da pista. Cerca de 20 mil litros de combustível vazaram na pista e nas margens da rodovia.

Técnicos da Fundação de Proteção Ambiental (Fepam) se dirigiram ao local para avaliar os prejuízos ambientais do acidente. O químico da transportada Matsuda responsável pela carga, Orion de Vargas Flores, confirmou que motorista tentou uma manobra arriscada de ultrapassagem. Os passageiros do veículo Corsa, IJS 5020 de Bento Gonçalves foram encaminhados ao hospital Tacchini com ferimentos leves.

Conforme o sargento do PRE, Luís Carlos de Souza Martins a carreta transportava 61 mil litros de biodiesel, sendo que o volume máximo permitido seria de 57 mil litros. Os responsáveis pela carga serão multados por excesso de carga, segundo o sargento.

Fonte: Gazeta

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Biodiesel atrai investimentos estrangeiros para agregar valor à produção

Empresários italianos visitaram o Brasil para negociar instalação de uma fábrica na região metropolitana de Curitiba e a venda de tecnologia para usinas de biocombustíveis refinarem a glicerina, subproduto do biodiesel

Quando assunto é bioenergia, o Brasil é referência internacional. Não apenas pelo potencial agrícola de gerar matéria-prima para produzir biodiesel, mas pelos subprodutos dele, ainda pouco explorados comercialmente. É o caso da glicerina, que na forma bruta, vale, em média, R$ 0,60 o quilo e com um processo de refino pode ampliar o valor em até seis vezes.

Esse tratamento dá à glicerina novas formas de utilização, como na indústria farmacêutica, alimentícia e na fabricação de resinas. No entanto, apesar do excedente de glicerina bruta no país, muitas empresas precisam importar a versão refinada pela ausência de investimento em tecnologias que permitam a destilagem do produto.

Em busca desse mercado, a empresa italiana Gianazza, com cem anos de mercado, está ampliando as atividades para o Brasil. O Grupo financia até 60% da instalação da planta industrial para que o refino da glicerina seja feito. As unidades podem ser montadas anexadas a fábricas de biodiesel ou isoladamente, trazendo a matéria-prima das usinas.

Segundo o engenheiro químico Celso Paloma, a demanda nacional pela glicerina farmacêutica é alta e o mercado externo também procura o produto com possibilidades de compra em grande escala. “O mercado é tão grande que os empresários que se atentarem para esse nicho podem alcançar uma rentabilidade ainda maior que a do próprio biodiesel”, avalia o engenheiro.

Celso Paloma é proprietário da fábrica de tintas Reverti, em Quatro Barras, na região metropolitana de Curitiba. Ele próprio utiliza a glicerina para a fabricação de resinas. Com a tecnologia da Gianazza, desenvolveu um projeto para ampliação da unidade para produzir ali mesmo a glicerina que consome. “Além disso, venderíamos o excedente para outras fábricas do setor e de outros segmentos”, planeja o engenheiro químico.

Para negociar a instalação, o diretor técnico da Gianazza, Carlo Castaldi, e o executivo do Grupo, Hermes Magnani, visitaram as instalações da Reverti. E confirmaram as vantagens da instalação da fábrica de glicerina farmacêutica no local. “Além da proximidade com os compradores do produto final, a localização representa uma vantagem: à beira da rodovia e perto do Porto de Paranaguá, que seria um canal de exportação”, afirma o executivo.

Novas parcerias – Além da instalação da planta piloto em Quatro Barras, a Gianazza negocia no Paraná a venda da tecnologia de refino de glicerina para fábricas de biodiesel em instalação no Estado. “A maioria dos compradores internacionais de biocombustíveis já tem interesse na glicerina, o que pode gerar uma venda casada para o empresário, com uma maior margem de lucro”, analisa o diretor comercial da JBrasil Biodiesel, João Custódio, que representa a Gianazza no país.

O diretor técnico da Gianazza, Carlo Castaldi, complementa que todo esse processo tem um acompanhamento e garantia da empresa, que tem tecnologia própria. “Para os projetos desenvolvidos no Paraná, oferecemos a possibilidade de instalação de uma unidade de suporte técnico e comercial em Curitiba”, afirma.

A comitiva também se reuniu na capital paranaense com o secretário estadual da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Virgílio Moreira Filho. “O anúncio da instalação de usinas de biodiesel no Paraná tem atraído novos investimentos e parcerias comerciais, aumentando a rede de geração de empregos no setor”, avalia o secretário.

Fonte:

=== Todas as fontes citadas na reportagem estão à disposição para entrevistas que podem ser agendadas por meio da assessoria de imprensa.

ATENDIMENTO À IMPRENSA
Alessandra Lemos: 41 8478-3448

Governo do RN vai reformular programa de produção de biodiesel


A transformação do Rio Grande do no Norte em um produtor de matéria-prima para biodiesel será alvo de uma nova tentativa por parte do Governo Estadual e da Petrobras. Ontem, foi anunciada uma reformulação no Programa Estadual de Agroenergia (Proage), cujo alvo principal será garantir o insumo para que o estado possa requerer à Petrobras a ampliação das fábricas do óleo. A meta é ousada: ter 50 mil hectares de girassol plantados, 12 vezes mais do que existe hoje. Para chegar a esse volume, além da agricultura familiar, pequenos e médios produtores também participarão do grupo que vai fornecer o material à Petrobras.

De acordo com o secretário estadual de Energia e Assuntos Internacionais, Jean-Paul Prates, o objetivo é que haja uma produção anual média de 60 mil toneladas de sementes em 2009 e 2010. Um volume muito maior do que o atualmente usado nas duas plantas de fabricação de biodiesel mantidas pela Petrobras no RN, ambas experimentais. Hoje apenas 30% do consumido por elas vêm de solo potiguar. Jean-Paul Prates explicou que, até que o estado tenha uma fábrica do combustível - para usar toda essa matéria-prima e produzir em escala industrial – a mercadoria será enviada ao Ceará, Bahia e Minas Gerais, onde a companhia já tem usinas comerciais do óleo.

“O próximo passo é transformar essas duas plantas experimentais em uma industrial”, disse Jean-Paul. Isso porque a garantia da matéria-prima é um argumento fundamental que o RN precisa ter para convencer a Petrobras – o que vem sendo tentado há três sem sucesso. Embora ainda fale em negociação nos próximos três meses, o secretário diz que está “tudo certo” para que a Petrobras faça esse investimento.

Funcionamento

A força de trabalho para o plantio de girassol será acrescida de produtores individuais. “Não se consegue esse resultado só com agricultura familiar”, disse Jean-Paul, assegurando que a nova estruturação não prejudicará os agricultores familiares. O cultivo do girassol – por enquanto será só ele, mas estuda-se usar coco - se dará em seis chamados “pólos de biodiesel”: Agreste, Mato Grande, Assu, Apodi, Alto Oeste e Mossoró. A Petrobras vai assegurar a compra da produção por cinco anos, provendo as sementes, enquanto o governo estadual fornece a assistência técnica. Os investimentos para o andamento do projeto ainda não estão definidos, mas estimados em R$ 10 milhões, com recursos dos cofres públicos federais, estaduais e da Petrobras.

Segundo o coordenador da Petrobras Bioenergia para o Nordeste, Ulisses Soares, o novo modelo potiguar surgiu de projetos pilotos nas regiões de Apodi e Mato Grande e, dando certo, será replicado nos demais estados do Nordeste.

Produção de oleaginosas teve tentativas frustradas

Esta é a terceira tentativa de dar corpo à produção de oleaginosas do RN para a fabricação de biodiesel. A primeira foi com a mamona, que, segundo IBGE, teve queda de produção de 83% em 2007, movimento decadente desde 2004. Depois, veio o girassol, que só rendeu 20% do esperado até agora.

Os motivos do insucesso das tentativas anteriores são diversos. No caso da mamona - cuja expectativa de analistas é que praticamente desapareça do RN - os produtores estão desestimulados, devido a problemas na comercialização da oleaginosa a partir de 2004, quando a produção começou visando o consumo da Petrobras. Além da baixa produtividade devido à pouca qualidade técnica do plantio, houve problemas de documentação com as cooperativas que venderiam a mamona e depois o preço pago não foi o esperado.

Coordenador da Petrobras Bioenergia para o Nordeste, Ulisses Soares conta que, com o girassol, cujo cultivo começou no fim de 2006, as bases dos obstáculos também variaram. Um deles foi a falta de tradição no cultivo do girassol. Houve até ansiedade dos produtores, que colhiam antes da data em que a Petrobras recolhia a produção de todos os agricultores.

Segundo uma fontes ligadas à área, houve ainda problemas técnicos internos entre a Emparn e a Petrobras. Ainda de acordo com essas fontes, a desconfiança em relação à plantação de matéria-prima para biodiesel foi outro motivo da pouca participação no caso do girassol. Deste modo, um dos desafios do novo modelo do programa é conquistar a confiança do produtor.

Fonte:

Deslancha o biodiesel

Fato auspicioso, a merecer registro, é o início da produção industrial da Usina de Biodiesel em Quixadá. Integrada ao complexo inicial de três usinas instaladas pelo País, a unidade do Sertão Central do Ceará faz parte do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, que abre as duas alternativas de absorção de produção: a advinda da agricultura familiar e a originada no agronegócio.

O programa do biodiesel garante ao pequeno lavrador a compra de toda sua produção de oleaginosas. Paralelamente, por meio de um convênio celebrado com o Estado do Ceará, a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ematerce) se encarrega das tarefas de sensibilização dos produtores, prestação de assistência técnica e distribuição de sementes selecionadas aos interessados.

A entrega do primeiro carregamento de 73 mil litros de biodiesel, extraídos em Quixadá, é meramente simbólica, pois a unidade foi planejada para alcançar, quando em plena carga, produção de 57 milhões de litros de biodiesel por ano. O ritmo de produção está atrelado à estratégia comercial da Petrobras Biocombustíveis. A distribuição far-se-á nos mercados em que a demanda se apresentar mais aquecida.

O emprego de oleaginosas na produção de biocombustíveis tende a promover transformações significativas no padrão tradicional da agricultura de subsistência predominante no Nordeste. Essa revolução silenciosa levará algum tempo para ocorrer, vencida a descrença do próprio lavrador, desconfiado de tantas promessas não cumpridas em épocas passadas.

Desta vez, tudo se comporta diferente. Primeiro, porque a Petrobras, em meio às justas incertezas das populações rurais, implantou no Ceará, na Bahia e no Triângulo Mineiro, as unidades de produção de biodiesel, estimulando a instalação de plantas industriais menores destinadas ao primeiro estágio de extração do óleo. Evidentemente, os maciços investimentos reclamam a necessidade de matérias-primas para fechar o ciclo de produção.

Nesse convencimento com as próprias instalações industriais, o segundo ponto está na garantia de compra da produção de oleaginosas, fixando-se preço justo. Em conseqüência, a empresa já adquire a mamona produzida em 160 municípios cearenses. Esse fato serve como demonstração de uma realidade palpável.

Por suas metas voltadas para o futuro, a Usina de Quixadá está processando oleaginosas procedentes de vários Estados nordestinos. Em face das necessidades de atendimento da sua elevada capacidade industrial, estão sendo aproveitados, como matéria-prima para a produção de biodiesel, o algodão, soja, mamona e girassol. Todos esses vegetais se prestam para a obtenção do combustível verde, uns mais rentáveis, outros menos.

Como existe apoio suficiente para a agricultura familiar, é dado estímulo, também, ao agronegócio, cuja a produção em larga escala, com alta produtividade e utilização de vegetais economicamente mais lucrativos, poderá inaugurar um mercado promissor no futuro próximo.

Fonte:

Governo realizará dois novos leilões de biodiesel em novembro

Brasília, 23 - O governo realizará em novembro dois novos leilões de biodiesel. A data exata ainda será definida pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). Ao todo, serão vendidos 330 milhões de litros para serem entregues entre 1º de janeiro e 31 de março de 2009.

No primeiro leilão, serão oferecidos 264 milhões de litros, produzidos apenas por empresas que tiverem o chamado "selo social". Esse selo atesta que o fabricante adquire suas matérias-primas da agricultura familiar. No segundo leilão, sem a exigência do selo, serão vendidos 66 milhões de litros. (Leonardo Goy)

Fonte:

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Relação entre os mercados de biodiesel e da soja

Para quem se aventurou no mercado de biodiesel no início deste ano, o cenário é até promissor.

Veja a Matéria aqui

Tecnologia inovadora melhora a qualidade do biodiesel

A GEA Westfalia Separator Brasil está disponibilizando no país uma planta industrial com um novo processo para cisão de borra (sabão), efluente indesejáveis do pré–tratamento de óleos vegetais para produção de biodiesel. No novo método ocorre a cisão contínua de borras, aumentando o rendimento final deste processo. “E ainda, a água ácida, que poderia afetar a qualidade do produto, é decantada em tanques cobertos e percorre um fluxo especial, onde efluentes são neutralizados. Tudo isso antes de ser enviada para o tratamento convencional”, destaca Renato Dorsa, gerente de engenharia da GEA Westfalia Separator Brasil.

O processo de cisão de borra tem por finalidade transformar os sabões - formados durante o processo de neutralização - em ácidos graxos. “Esta tecnologia permite dar um fim mais nobre ao óleo arrastado na borra nos processos de pré-tratamento de óleos vegetais”, afirma Dorsa. Plantas com esse sistema da Westfalia já estão em funcionamento na Europa e Ásia. No Brasil, as plantas com sistemas tradicionais possuem tanques abertos, o que resulta em um processo mais perigoso e poluente. “O processo com centrífugas fechadas e compactas da Westfalia substitui os antigos métodos e é mais ecológico”, diz Dorsa.

Segundo Roseli Ferrari, pesquisadora científica do Centro de Ciência e Qualidade de Alimentos do ITAL (Instituto de Tecnologia de Alimentos) de Campinas-SP, além do biodiesel extra que pode ser gerado com esse processo de eliminação total da borra - resíduo que é prejudicial ao meio ambiente -, evita-se os odores desagradáveis que ocorrem nos métodos tradicionais, o que permite que esse tipo de planta possa ser instalada mesmo dentro das cidades.

O ITAL tem investido em pesquisas com o biodiesel, preocupando-se com a satisfação do consumidor final. Todas as plantas do Brasil devem seguir os padrões observados pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biombustíveis), cujo objetivo é proporcionar um biodiesel de qualidade. “Como o país tem diversidade de clima e de matérias-primas, as especificações internas são diferentes, mas devemos nos adaptar cada vez mais para atender a uma demanda de exportação”, ressalta Roseli.

A pesquisadora destaca aspectos importantes na qualidade do biodiesel, como, por exemplo, o fato de os motores diesel serem capazes de usar biodiesel sem adaptações. “Também o teor residual de álcool, glicerina e óleos deve ser o mais baixo possível. O biodiesel é biodegradável e sua estabilidade à oxidação deve ser assegurada. Enfim, todos os agentes, do produtor até as usinas, são responsáveis pela qualidade do biodiesel antes dele chegar ao motor do veículo”, reforça Roseli.

Do:

Rapidas

Usina da Petrobras no Ceará faz primeira entrega de biodiesel

A Usina de Biodiesel de Quixadá, no Ceará (foto), entregou ontem sua primeira produção de 73 mil litros. Inaugurada em agosto, a unidade tem capacidade para produzir 57 milhões de litros de biodiesel por ano.

Alíquotas

A importação e comercialização do biodiesel teve as alíquotas de PIS, Pasep e Cofins reduzidas. O DECRETO Nº 6.606, DE 21 DE OUTUBRO DE 2008 saiu no Diário Oficial da União do dia 22.
De acordo com o Decreto, o coeficiente fica em 0,7357. Com isso, as alíquotas do PIS, Pasep e da Cofins incidentes sobre a importação e receita bruta obtida com a venda de biodiesel no mercado interno ficam reduzidas, respectivamente, para R$ 31,75 e R$ 146,20.

Fonte: Fontes Diversas

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Grupo americano adquire a Bionorte

A Bionorte Indústria e Comércio de Biodiesel Ltda, empresa instalada em São Miguel do Araguaia, foi adquirida pelo grupo norte-americano Verde Bio Fuels Inc, cuja holding no Brasil, a Verde Brasil, está em processo de formação. A companhia, da Carolina do Sul, pretende aportar cerca de US$ 50 milhões (mais de R$ 100 milhões) para dar início ao processo de fabricação de biocombustível da Bionorte a partir de soja, algodão e sebo de boi, além de etanol. A capacidade inicial de produção da fábrica é de 30 mil toneladas/ano.

Veja a Matéria aqui

Fonte:

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Maior indústria de biodiesel do mundo será instalada no PR

O Paraná terá maior indústria integrada de biodiesel do mundo. O anúncio é da Companhia Brasileira de Energias Alternativas e Renováveis (CBEAR). Com investimentos da ordem de 300 milhões de euros num município a ser definido da região Centro-Sul do Estado, a empresa terá capacidade de produção de 600 mil toneladas de biodiesel por ano.

Para a diretora-executiva da empresa, Christianne Fullin, com uma produção similar registrada só na Espanha, a CBEAR do Paraná será a maior do planeta por reunir toda a cadeia produtiva do setor.

“O governador Roberto Requião foi atuante e tem plena convicção da viabilidade e grandeza desta indústria. Serão gerados cerca de 500 empregos diretos e milhares de indiretos com a inclusão de famílias residentes no meio rural”, destaca a executiva.

Apresentada durante a reunião da Escola de Governo nesta terça-feira (14) pelo secretário estadual da Indústria, do Comércio e Assuntos do Mercosul, Virgílio Moreira Filho, a CBEAR é o mais novo empreendimento industrial que escolhe o Paraná como sede.

“Pela logística, política de ações públicas voltadas ao empresariado, energia, portos, ferrovias e aeroportos, o Paraná mais uma vez segue na liderança na captação de grandes investimentos geradores de emprego e renda”, disse o secretário.

Com data de funcionamento prevista para fevereiro de 2010, a produção de biodiesel será feita a partir de oleaginosas como a canola e o girassol – culturas cultiváveis em período de entressafra nas propriedades rurais -, e também do tungue, oleagionosa de cultura perene e que pode ser implementada em locais onde não existe aproveitamento do solo para cultivos tradicionais.

“Ao promover uma rotatividade maior de culturas como o milho e a soja, o agricultor terá uma importante e nova fonte de renda”, explica a diretora da empresa Christianne Fullin. A produção será voltada ao mercado externo e deve atender ao mercado interno caso exista demanda.

Governo – A empresa deverá firmar convênios com diversos órgãos governamentais do Estado, como a Secretarias da Indústria e Comércio, Agricultura e Abastecimento, Ciência e Tecnologia, Fazenda, Meio Ambiente, além da Emater, IAP, Iapar, Ferroeste, Tecpar e Lactec.

Desde a pesquisa e escolha da melhor variedade de oleagionosa, até a logística para o transporte das matérias-primas, desenvolvimento tecnológico e ambiental, o Governo do Estado foi parceiro para viabilizar economicamente o projeto.

Outro ponto destacado é a instalação da empresa numa região carente de investimentos privados e de baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). “Conceitos ambientais e de sustentabilidade, além da mínima agressão ao solo e do uso de alta tecnologia serão objetivos aplicados pela empresa”, acrescentou Christianne Fullin.

Fonte: Iguaçu Notícias

Brasil produzirá diesel de cana-de-açúcar a partir de 2010

Tecnologia, criada por empresa americana, será usada pela primeira vez em usina paulista.

O mesmo caldo de cana que serve como matéria-prima para a produção de açúcar e álcool servirá em breve, também, para a produção de diesel. A nova tecnologia, desenvolvida pela empresa Amyris, da Califórnia, vai ser colocada em prática no interior paulista em 2010, em sociedade com a Votorantim Novos Negócios e a Usina Santa Elisa, de Sertãozinho. A meta é produzir 400 milhões de litros no primeiro ano e 1 bilhão de litros, em 2012.

O processo é muito parecido com o da produção de álcool combustível, que utiliza leveduras - um tipo de fungo microscópico - para fermentar os açúcares presentes na cana e secretar etanol. A diferença crucial - que foi a grande inovação produzida pela Amyris - está no DNA da levedura, que foi geneticamente modificada para secretar diesel no lugar de álcool.

"Não é biodiesel. É diesel mesmo", diz o biólogo Fernando Reinach, diretor-executivo da Votorantim Novos Negócios (VNN), fundo de investimento de risco do Grupo Votorantim, que financiou parte da pesquisa. O resultado da fermentação é uma molécula chamada farneceno, com 12 átomos de carbono, que tem todas as propriedades essenciais do diesel de petróleo, mas nenhuma da indesejadas, como a mistura de enxofre - um poluente altamente prejudicial à saúde.

Enquanto o diesel de petróleo - e mesmo o biodiesel de óleos vegetais - contém uma mistura de várias moléculas combustíveis, o diesel de cana tem apenas o farneceno, que pode ser usado diretamente no motor. "É um combustível super puro", disse o diretor-executivo da Amyris, o português John Melo, que esteve em São Paulo ontem para anunciar o projeto.

O diesel de cana-de-açúcar - além de ser livre de enxofre, o que reduz o impacto sobre a poluição urbana - é renovável em relação ao carbono que emite para a atmosfera, o que reduz o impacto sobre o aquecimento global. A exemplo do que já ocorre com o etanol, o CO2 que sai do escapamento é reabsorvido, via fotossíntese, pela nova cana que está brotando no campo. Quando a cana é colhida, o carbono é convertido novamente em combustível, reemitido, reabsorvido e assim por diante.

A cana não tem óleo, ela apenas fornece o açúcar necessário para alimentar as leveduras que vão produzir o combustível. É um processo completamente diferente do usado para produção de biodiesel, que é um combustível refinado de óleos vegetais, como de soja e mamona.

Segundo Reinach, foram necessários mais de 15 genes para transformar a levedura em uma "fábrica biológica" de diesel. A espécie usada no processo é a mesma da fermentação do álcool (Saccharomyces cerevisiae), mas a origem dos novos genes é mantida em segredo até que as patentes sejam publicadas.

A idéia, a princípio, é que o diesel de cana entre no mercado como um adicional ao diesel de petróleo, e não como um concorrente, já que a produção inicial será muito pequena. O Brasil consome cerca de 45 bilhões de litros de diesel, dos quais 5 bilhões precisam ser importados. "Se acabarmos com a importação já será um enorme sucesso", avalia Melo, que antes de assumir a Amyris foi presidente nos Estados Unidos da BP Fuels.

A tecnologia foi desenvolvida nos laboratórios da Amyris na Califórnia. Mas o desenvolvimento do produto final será feito no Brasil, com a participação de cientistas brasileiros contratados pela empresa. A Amyris já tem um laboratório em Campinas - acoplado a uma usina-piloto - e planeja construir uma planta industrial junto à usina Santa Elisa, onde será feita a produção de diesel em larga escala.

O interesse da empresa em trazer a tecnologia para o Brasil é simples: "Nossa matéria-prima é o carbono, e o carbono mais barato do mundo é o carbono de cana do Brasil", explica Melo. "É igual à cadeia do petróleo. As empresas vão onde está o óleo. Nesse caso, elas virão para onde está o carbono vegetal", completa Reinach. A idéia é que a produção aumente e ganhe mercado gradativamente, com um custo igual ou inferior ao do diesel de petróleo. O custo inicial previsto é de US$ 60 o barril, já bastante competitivo.

As adaptações necessárias nas usinas para produzir diesel em vez de etanol são mínimas. De certo modo, basta trocar a levedura no fermentador. Dentro de alguns anos, prevê Reinach, os usineiros poderão optar por produzir o que for mais vantajoso - álcool, diesel ou açúcar -, com grande flexibilidade.

O diesel de cana surge como mais uma opção no menu de energias renováveis que o mundo procura para substituir os combustíveis fósseis (derivados de petróleo, carvão e gás), que são os principais responsáveis pelo aquecimento global. A cana já oferece duas dessas opções: o álcool combustível e o bagaço, que é queimado para produção de energia elétrica. Agora serão três (etanol, diesel e biomassa), com potencial para chegar a quatro, cinco, ou até seis. Segundo Reinach, com as mesmas técnicas de engenharia molecular, é possível "ensinar" a levedura a produzir quase qualquer tipo de molécula.

A Amyris já está desenvolvendo combustível de aviação para a Força Aérea Americana e, depois do diesel, tem planos de produzir gasolina - tudo a partir da fermentação de açúcar da cana. Para o projeto do diesel, a empresa recebeu US$ 100 milhões de vários fundos de capital de risco nos últimos 12 meses. A Votorantim Novos Negócios não revela de quanto é sua participação.

ENXOFRE

Após intensas discussões com a área ambiental do governo, a Petrobrás decidiu iniciar as importações em 2009 de diesel com 50 partes por milhão (ppm) de enxofre. A empresa, no entanto, alega que o produto chegará ao País com um preço maior do que o nacional.

Fonte:

FAO pede revisão de políticas para biocombustíveis, exceto no caso do Brasil

Rio de Janeiro, 15 out (EFE).- O diretor da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), Jacques Diouf, pediu que, devido ao impacto nos preços dos alimentos, as políticas sobre biocombustíveis sejam revistas, exceto no caso do Brasil, pioneiro nesta fonte energética.

Segundo o relatório anual da FAO publicado nove dias antes do Dia Mundial da Alimentação, celebrado em 16 de outubro, os biocombustíveis contribuem para a alta do preço dos alimentos, sem que melhore a segurança energética dos países e nem se conheça se o seu uso traz benefícios para o meio ambiente.

Assim, a polêmica sobre os combustíveis extraídos de vegetais como uma alternativa barata e limpa aos derivados do petróleo continua viva, apesar da crise financeira mundial e da divisão de opiniões nos países da América Latina.

Há 30 anos, o Brasil usa maciçamente o etanol da cana-de-açúcar para movimentar sua frota de veículos comerciais. Além disso, o país conta com uma indústria da agroenergia com forte peso econômico.

Este ano, o Brasil produzirá 25,5 bilhões de litros de álcool combustível e exportará outros 4,2 bilhões. Mas, em oito anos, a previsão é que a demanda interna cresça 150%.

Tanto o Governo quanto empresários negam que o uso maciço da cana-de-açúcar para produzir etanol influa nos preços dos alimentos.

Assim, o país prevê expandir sua produção no médio prazo com investimentos de aproximadamente US$ 24 bilhões.

No entanto, para Diouf, não há dúvidas de que os biocombustíveis gerados a partir de sementes de cereais "contribuíram para a recente alta dos preços dos alimentos", que, conseqüentemente, fez o número dos que passam fome no mundo aumentar de 848 milhões para 923 milhões de pessoas.

A Colômbia, segundo produtor de biocombustíveis da América Latina, com 365 milhões de litros de etanol de cana por ano e 73 milhões de litros de biodiesel, é o mais entusiata da produção de "combustíveis verdes".

No sudoeste do país, há cinco usinas de etanol de cana, além de vários projetos para a produção de álcool a partir de beterraba, batata e mandioca.

No caso do México, a crise dos alimentos atingiu a população quando os Estados Unidos começaram a usar milho para produzir etanol, o que encareceu uma série de alimentos, das carnes e ovos às típicas tortilhas.

Talvez por isso, a produção de biocombustíveis no país seja pequena e o Governo, que é contra colocar "em risco a segurança e a soberania alimentar", proíbe o uso de qualquer tipo de grão de consumo humano ou animal para produzi-los.

Por outro lado, o Peru apostou forte na produção de biocombustíveis, embora ainda lhe faltem campos para cultivar 200 mil hectares de canola, matéria-prima do biodiesel, ou os cerca de 100 mil hectares necessários para atender à demanda nacional por etanol.

Na Argentina, que em 2007 exportou quase 320 mil toneladas de biodiesel, a maior parte para os EUA, a Secretaria de Agricultura tem um programa que estuda o cultivo para fins energéticos de pinhão e coco em áreas não ocupadas pela produção agrícola habitual.

Sem comprometer o fornecimento de comida, o país produz outras oleaginosas destinadas ao biodiesel, como a colza e o cártamo, embora as principais sejam alimentos como a soja e o milho.

Na região, o ex-presidente cubano Fidel Castro é a principal "voz" contra os biocombustíveis, cuja produção, segundo ele, "causará um aumento na demanda, uma alta colossal dos preços destas matérias-primas alimentícias e uma crise humanitária de conseqüências trágicas".

No entanto, Cuba não está fora da corrida pelos biocombustíveis e iniciou com a Venezuela um programa para a extração de álcool da cana-de-açúcar.

Em fevereiro de 2007, ambos os países oficializaram um acordo para instalar 11 usinas de etanol e desenvolver a produção de cana com esses fins na Venezuela, país rico em petróleo.

Outro contrário aos biocombustíveis é o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, que acha "um crime" produzir etanol derivado do milho, pois isso atenta contra a alimentação de seus compatriotas.

Porém, uma empresa nicaragüense exporta o produto para a Europa.

Na Bolívia, o Governo se opõe ao uso de produtos agrícolas na produção de biocombustíveis, pois vê estes como um risco à segurança alimentar.

Uma das estratégias do Brasil em relação aos biocombustíveis é fomentar um mercado internacional para que o etanol seja comercializado como uma commodity. Para isso, o Governo procura acordos com países com disponibilidade de terras, água e mercados.

Até as pequenas economias da América Central estão em seus planos, porque têm acordos de livre-comércio com os EUA, o que permitiria ao etanol brasileiro burlar as altos tarifas americanas.

Enquanto isso, na Costa Rica começou este ano o programa de produção de biocombustíveis, e, em 2009, começará o uso de etanol e biodiesel nos automóveis.

Fonte:

Ver Também:

FAO pede fim de subsídios ao biocombustível

Leilão de biodiesel

16/10/08 - O leilão da Agência Nacional do Petróleo (ANP) de compra de biodiesel, que ocorreria ontem, permanece sem nova data. A Brasil Ecodiesel foi punida pela ANP e perdeu o direito de vender 63,6 milhões de litros, que seriam repostos pelo novo leilão, mas obteve liminar em contrário.

Fonte:

Produção Brasileira de biodiesel pode ser insuficiente

16/10/08 - A produção de biodiesel poderá ficar abaixo da necessidade do mercado, sobretudo para o setor de transporte rodoviário. Essa é a conclusão de um estudo da NTC&Logística, publicado recentemente. A pesquisa estima um consumo do biocombustível para 2008 de 1,160 bilhões de litros, considerando o início da adição de 3% ao diesel mineral. A produção até agosto deste ano, contudo, foi de 662 milhões de l, 57% da demanda prevista. “Se o ritmo de produção persistir, não haverá produto suficiente para suprir a demanda”, afirma a pesquisa.

A análise se baseou nos números divulgados pela ANP. Segundo o estudo, o consumo poderá ser ainda maior, pois espera-se incremento do PIB e da venda de caminhões. A pesquisa critica ainda os leilões para o abastecimento promovidos pela agência entre dezembro de 2007 e agosto de 2008. Nas cinco concorrências, foram arrematados 736 milhões de l, o que representa 63% da demanda prevista.

O Brasil possui capacidade instalada de produção de 3 nilhões de l por ano, mas utiliza apenas 25% dessa produção. O trabalho sugere a revisão das estimativas de demanda do biocombustível para 2008 e 2009, a fim de garantir o abastecimento dos setores dependentes.

Procurada pelo Energia Hoje, a ANP garantiu que a oferta será compatível com a demanda, podendo até ocorrer uma sobra de biodiesel. Segundo dados da agência, a produção desse ano já ultrapassou em 64% a do ano passado. Até agosto deste ano, já foram produzidos 662 milhões de l de biodiesel, ante 402 milhões de l no total do ano passado.

Fonte:

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Leilões da ANP de biodiesel em outubro

A ANP deve realizar em outubro dois leilões de biodiesel para repor os volumes vendidos pela Brasil Ecodiesel e pela Rnobrás (biobrás) nos últimos dois leilões, realizados nos dias 14 e 15 de agosto e anulados pela agência por inadimplência na entrega do produto. A agência não confirma oficialmente a informação.

Nas duas disputas, as empresas haviam contratado o fornecimento de 64,8 milhões de l, 19,64% (Brasil Ecodiesel 19,27% e Biobrás 0,37%) do total leiloado que seriam produzidos pelas usinas de São Luís, Iraquara e Rosário do Sul da Brasil Ecodiesel e da Renobrás no MT. A decisão não afetou os 6,4 milhões de litros contratados das usinas da Brasil Ecodiesel de Porto Nacional e Cratéus.

A Brasil Ecodiesel não havia cumprido com os prazos de entrega do oitavo leilão, realizado em abril, quando a produtora arrematou o fornecimento de 63 milhões de litros. A empresa informou por meio de comunicado que está estudando medidas cabíveis e que foi surpreendida pela decisão. Agentes de mercado afirmaram que a empresa se reuniu com a ANP na semana passada para tentar reverter a decisão.

Segundo a entidade representante dos produtores, a manutenção das entregas é condição essencial para o sucesso do programa. "O governo precisava dar uma resposta para manter a assiduidade das entregas, mas isso não significa que a Brasil Ecodiesel não possa se recuperar e voltar a participar dos leilões a partir de janeiro. A punição se limita ao leilão subseqüente àquele cuja entrega não foi realizada" afirmou o diretor executivo da União Brasileira do Biodiesel (Ubrabio), Sérgio Beltrão.

Segundo a resolução ANP n°21 de 10/07/2008, a Brasil Ecodiesel poderá ficar impedida de participar do leilão de reposição de estoque, caso tenha apresentado média de entrega inferior a 85% do volume programado.

Fonte: Energia Hoje

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Falta investimento em pesquisa para viabilizar o biodiesel

04/09/08 - Criado há mais de 30 anos, o Pró-álcool, depois de muita instabilidade, transformou-se em uma das alternativas mais viáveis de produção de energia do mundo. O desenvolvimento tecnológico e a alta produtividade das lavouras de cana-de-açúcar têm garantido ao etanol espaço de destaque nas discussões sobre energias limpas. Da mesma forma, o produto já foi acusado de provocar a crise de alimentos no mundo todo, já que em alguns países o etanol é produzido a partir do milho. Para combater esse preconceito, governo e produtores têm investido na exportação de tecnologia e equipamentos, demonstrando que o etanol de cana-de-açúcar é um combustível que poderá, em algum momento, substituir os derivados de petróleo.

Na esteira desse movimento, está o programa de biodiesel, mas com várias ressalvas. A principal delas é a falta de investimento em pesquisas para se determinar a matéria-prima ideal para produzir o biodiesel. Segundo o presidente executivo da União dos Produtores de Bioenergia, Antonio Cesar Salibe, o governo federal precisa centralizar esses estudos a fim de dar ao biodiesel as mesmas oportunidades que foram dadas ao etanol, tornando-o um produto apto à economia de mercado.

Para falar sobre o tema, Salibe concedeu entrevista ao programa Panorama do Brasil, apresentado por Roberto Müller e que irá ao ar hoje pela TVB. Participam também da entrevista, a diretora de redação do DCI, Márcia Raposo, e Milton Paes, da rádio Nova Brasil FM.

Veja a Matéria aqui

Fonte: - Laelya Longo e Julia Aronchi - 25/08

Da Agência