quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Biocombustíveis na berlinda

Um relatório divulgado nas últimas semanas mostrou uma realidade diferente das que de costume com relação aos biocombustíveis. O estudo indicou que praticamente todos os atuais biocombustíveis produzidos e utilizados no mundo são mais poluentes e nocivos ao meio ambiente do que o petróleo.

O economista, Argemiro Luís Brum, aborta este tema em sua coluna no Portal Agrolink. Em primeiro lugar, na grande maioria dos países a produção de biocombustíveis ocupa as terras que são utilizadas para a produção de alimentos. Além, igualmente, de invadirem áreas de florestas. Em segundo lugar, o que seria um balanço até certo ponto positivo em relação aos biocombustíveis, pode se transformar rapidamente, na prática, em algo catastrófico para a humanidade, segundo o relatório. Em terceiro lugar, o estudo, preciso e objetivo, mostra que na hipótese dos biocombustíveis serem produzidos mediante áreas desmatadas em zonas tropicais, a situação é crítica.

Ainda conforme o relatório O biodiesel de colza/canola, por exemplo, acusa uma quantidade de carbono nocivo duas vezes superior ao que existe atualmente com o uso do combustível fóssil (petróleo). Além disso, a quantidade de óleo de colza que passa a ser transferida para a produção de biodiesel, e que seria para o consumo humano, acaba tendo que ser substituída pelo óleo de palma num grande número de países.

Segundo Brum os discursos políticos acabam ultrapassando o ponto científico e induzindo a sociedade de que produzir biocombustível é a melhor solução para a ecologia global. “Os recentes estudos vêm mostrando, em termos mundiais, que não é bem assim. Obviamente, alguns produtos, como o etanol de cana, ainda possuem alguma vantagem sobre os demais, particularmente no Brasil, porém, está longe de ser a panacéia para os problemas existentes em torno do tema”, critica.

Os resultados ainda são novos e a pesquisa deve evoluir mais rápido sobre esse tema. “Na ânsia de querer encontrar alternativas economicamente viáveis ao petróleo, corremos o risco de poluir ainda mais o Planeta. É preciso, portanto, deixar a ciência evoluir mais, antes de nos lançarmos em práticas duvidosas. Um dia, certo, precisaremos substituir o petróleo, porém, por enquanto os estudos indicam que se torna mais sábio controlar melhor o uso deste combustível do que se lançar a tentar gerar, em escala comercial, alternativas que começam a se comprovar, em boa parte dos casos, piores”, enfatiza o colunista.

Fonte:

Biodiesel alavanca faturamento da Granol

Tradicional processadora de grãos de capital nacional que enfrentou sérios problemas financeiros no início desta década, a paulista Granol encontrou no crescente mercado brasileiro de biodiesel uma oportunidade para deixar as agruras para trás e praticamente triplicar de tamanho.

A empresa se destacou como a maior fornecedora de biodiesel para o programa governamental de disseminação do uso do combustível misturado ao diesel no País em 2008. A posição deve ser mantida em 2009, e a estratégia para defender esta liderança em 2010, quando a concorrência deverá aumentar, já está definida.

No 16º leilão de compra de biodiesel da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), em 17 de novembro, a Granol foi mais uma vez a vencedora. Ofertou 80 milhões de litros diante de um preço de referência de R$ 2,35 por litro e preço médio ponderado de R$ 2,33 (deságio médio de 1%) e fincou as bases para avançar no mercado no ano que vem, quando estreia a mistura de 5% de biodiesel no diesel (B5).

A adoção desse percentual deveria começar a valer apenas em 2013, mas tendo em vista o crescimento do parque produtivo no país o governo decidiu antecipá-la - até porque o consumo de diesel recuou no país em 2009, principalmente por causa dos reflexos da crise financeira global.

Mesmo com a crise e seus efeitos no processamento de grãos e na exportação de derivados em geral, Paula Regina Ferreira, diretora financeira da Granol e filha do principal acionista da empresa, antecipa que o faturamento total voltará a aumentar em real em 2009, como acontece desde 2005. Números preliminares indicam que a receita alcançará R$ 1,717 bilhão, 2,1% mais que em 2008.

Em dólar, contudo, haverá queda. A projeção sinaliza US$ 855 milhões, 10,5% menos em igual comparação. A guinada cambial verificada após o aprofundamento da crise financeira irradiada dos EUA, em setembro do ano passado, deixou como saldo prejuízo em 2008, mas, de acordo com Paula, a Granol encerrará 2009 no azul.

Fundada no interior paulista em 1966, a processadora de grãos sobreviveu à intensa concentração deste segmento liderada por multinacionais como Cargill, ADM e Bunge com atuação regionalizada focada no mercado a granel. Ancorada pela soja, avançou a partir da aposta em clientes institucionais de farelo para a produção de ração e de óleo vegetal para o varejo.

Após quase quebrar por não contar com uma política apropriada de hedge quando houve a maxidesvalorização do real, em 1999, quando contou com a "compreensão" de fornecedores e clientes para continuar a operar, vislumbrou a oportunidade aberta pelo biodiesel já em 2004.

"A Granol foi uma das primeiras empresas a levar a questão do biodiesel ao governo. É um produto com grande sinergia com o nosso negócio", afirma Paula. Para a produção do combustível alternativo, investiu na soja como principal matéria-prima e não errou, já que o grão segue como a fonte economicamente mais viável para sustentar o avanço do mercado.

A companhia estreou na área com o arrendamento de uma unidade de oleoquímicos em Campinas (SP), em 2006. Depois investiu R$ 150 milhões em duas plantas - em Anápolis (GO) e Cachoeira do Sul (RS) -, onde já estavam instalados dois de seus cinco complexos industriais. Tem pronto um projeto para uma terceira planta em São Paulo, que depende da evolução das vendas e de questões tributárias como a incidência de ICMS no transporte interestadual, que tira competitividade da operação.

"O biodiesel ainda não é economicamente viável sem o programa do governo, mas o mercado está se consolidando e já há uma matriz considerável no país", diz Paula Ferreira. A Granol mantém parceria com pequenos produtores em Mato Grosso do Sul, mas ainda considera que, de um modo geral, trabalhar com pequenos produtores é um dos grandes desafios do programa.

Em 2008, segundo a ANP, a Granol liderou as vendas de biodiesel nos leilões realizados, com participação de 20%. A fatia foi inflada pelo fato de que algumas empresas não cumpriram totalmente seus compromissos de entrega. Em 2009, mesmo sem esta "ajuda", a Granol projeta manter a liderança no fornecimento.

Com a queda das vendas de diesel no país em 2009, muitas das quatro dezenas de companhias que atuam nesse mercado não entregarão 100% do volume comprometido nos leilões. As regras do governo preveem um percentual de 10% para mais ou para menos nas entregas acertadas.

Com o avanço, o biodiesel deverá representar 37% do faturamento da empresa em 2009, segundo os dados preliminares fornecidos pela diretora. Óleos para alimentação humana e fins industriais deverão responder por 14%, enquanto o farelo de soja, destinado sobretudo à produção de rações, ainda abocanhará uma fatia de 45% das vendas totais. "Outros" negócios completam os 100%.

Com o biodiesel, a participação do mercado interno na receita total deverá alcançar 66%, ficando as exportações com os 34% restantes. "Apesar do biodiesel, nosso 'core business' continua sendo o esmagamento de sementes e oleaginosas", afirma Paula. A Granol tem capacidade anual para esmagar 1,9 milhão de toneladas de grãos e refinar 250 mil toneladas de óleo bruto. A empresa tem 1,3 mil funcionários e 8 mil clientes ativos.

Fonte:

Brasil Ecodiesel desativa usinas de biodiesel no NE

São Paulo - A Brasil Ecodiesel anunciou na terça-feira, 15/12, que desativou definitivamente suas duas usinas de produção de biodiesel localizadas no Nordeste, em Crateús (CE) e Floriano (PI). As usinas foram construídas para a produção de biodiesel a partir de oleaginosas alternativas que seriam produzidas pela agricultura familiar no Nordeste. O projeto não vingou.

Segundo comunicado divulgado ao mercado, a decisão está em linha com a diretiva estratégica de melhor uso dos seus ativos ociosos e se baseia, entre outras razões, na "dificuldade logística incontornável" de obtenção de matérias-primas e que afetou a competitividade dessas usinas nos leilões organizados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Fonte:

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Biodiesel é a esperança para "salvar" preço do óleo de soja

SÃO PAULO - A produção de biodiesel irá sustentar os preços do óleo de soja no Brasil e no mercado internacional em 2010. Mesmo o País registrando o menor índice de exportação da commodity na década, o incremento na demanda do biocombustível, estimulado pelo início do B5 (adição de 5% de óleo vegetal no diesel), a partir de janeiro, será suficiente para absorver o excedente e estimular os preços.

Segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), os embarques nacionais do óleo de soja somarão 1,5 milhão de toneladas este ano.

No mercado externo, a tendência é a mesma. Apesar de o USDA indicar um aumento de 1 milhão de toneladas nos estoques mundiais, o crescente consumo deverá equilibrar a relação oferta e demanda do produto.

O 16º leilão de biodiesel realizado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), em novembro, já sinalizou os reajustes que deverão ser impulsionados pelo aumento na produção de biodiesel. O preço do produto foi de R$ 2,33 o litro. No leilão anterior, o valor negociado foi de R$ 2,27 o litro. Para o próximo leilão, que deve acontecer no final de fevereiro, visando o abastecimento no segundo trimestre de 2010, a expectativa é de nova alta. "O B5 vai continuar dando suporte aos preços. Não vamos ver queda para o óleo de soja", afirmou Miguel Biegai, analista da Safras & Mercado.

Desde o lançamento do Programa Nacional de Biodiesel, os preços médios do óleo de soja no mercado interno registram alta anual contínua. A exceção fica no comparativo entre 2009 e 2008, pois no ano passado os picos nas cotações do petróleo, que chegaram a US$ 160 o barril, resultaram em uma elevação atípica.

"Isso é resultado do consumo interno, que tem aumentado drasticamente, fazendo com que a exportação diminua. Ainda assim, os preços do óleo no mercado interno ficam mais firmes", avaliou Biegai.

Segundo o analista, se não fosse a evolução da produção de biodiesel, hoje haveria um enorme excedente de óleo no mundo, exigindo volumes de exportações ainda maiores de grandes produtores como Estados Unidos (EUA) e Argentina. "Sem o biodiesel, o Brasil teria que exportar quase 3 milhões de toneladas de óleo", disse. Biegai destacou ainda a melhoria na rentabilidade do complexo soja. "Antes, o farelo era tudo, agora o esmagamento agrega ainda mais valor", disse.

O governo federal e a iniciativa privada irão lançar até março de 2010 uma agenda conjunta para os próximos cinco anos com o objetivo de ampliar a produção nacional de biodiesel. "Estão sendo desenvolvidas pesquisas com vários produtos, como semente de girassol, pinhão manso, óleo de dendê, canola e até cana-de-açúcar, mas ainda é importante buscar outras fontes de biodiesel", afirmou Manoel Bertone, secretário de Produção e Agroenergia do Ministério da Agricultural. Segundo Sérgio Beltrão, diretor executivo da União Brasileira do Biodiesel (Ubrabio), como algumas das culturas utilizadas para a produção do combustível são perenes, com ciclo de vida longo, é importante haver planejamento a médio prazo.

Brasil Ecodiesel

A Brasil Ecodiesel anunciou ontem que fechou contratos de aquisição de matéria-prima com seus fornecedores de óleo vegetal. O volume, não revelado, será destinado à produção de 65,36 milhões de litros de biodiesel que serão entregues a Petrobras até o primeiro trimestre de 2010. O volume a ser entregue para a Petrobras será produzido por todas as unidades da companhia.

Concorrentes sob pressão

O Conselho Europeu de Biodiesel ameaça apresentar uma denúncia à Comissão Europeia contra as exportações de biodiesel dos EUA para o bloco. Os produtores de biodiesel norte-americano estariam utilizando países para embarcar o combustível para a União Europeia (UE) e contornar as tarifas impostas pelo bloco ao biodiesel norte-americano.

O Conselho também está estudando mecanismos para deter o crescimento das exportações de biodiesel da Argentina para a região uma vez que, segundo o grupo, sediado em Bruxelas, o país estaria utilizando o sistema fiscal para apoiar as exportações.

Fonte:

Biodiesel fortalece a Caramuru

Maior processadora de grãos de capital nacional, a Caramuru Alimentos conseguiu com o biodiesel, sua mais recente frente de negócios, um retorno suficientemente positivo em 2009 para preservar seus resultados gerais, também sustentados pelas exportações nos primeiros cinco meses do ano.

Segundo César Borges de Sousa, vice-presidente da Caramuru, o faturamento da empresa deverá totalizar R$ 2,2 bilhões neste ano, praticamente o mesmo patamar de 2008 (R$ 2,16 bilhões).

Em dólar também haverá pouca variação, mas, neste caso, negativa em virtude da erosão da moeda americana. Sousa prevê US$ 1,13 bilhão em 2009, ante US$ 1,2 bilhão no ano passado.

O câmbio explica as dificuldades que a companhia teve que contornar no ano nas atividades pelas quais é mais conhecida, que são originação, processamento e venda de grãos e derivados nos mercados doméstico e externo, com grande peso para as exportações.

Atualmente a Caramuru produz biodiesel, sobretudo a partir da soja, em uma planta localizada em sua fábrica instalada em São Simão, em Goiás. A capacidade instalada na unidade é de cerca de 180 milhões de litros por ano.

Com o amadurecimento do mercado do combustível alternativo no país - que já levou o governo a antecipar a adoção da mistura de 5% de biodiesel no diesel de 2013 para 2010 - a produção de São Simão será responsável por mais de 10% do faturamento da companhia em 2009.

O mesmo processo de maturação do mercado já levou a Caramuru a investir em sua segunda unidade de biodiesel, que deverá começar a rodar em Ipameri, também em Goiás, em junho de 2010.

Conforme Sousa, este projeto está absorvendo a maior parte dos investimentos de R$ 52 milhões da empresa em 2009 e assim será também no ano que vem, quando os aportes totais deverão somar R$ 40 milhões.

Tanto os gastos deste ano quanto os de 2010 são superiores ao montante investido pela Caramuru em 2008 (R$ 36 milhões), em mais um sinal da importância do biodiesel para a companhia brasileira. Ipameri agregará à empresa uma capacidade de produção de 110 milhões de litros por ano.

"Apesar de ainda carecer de ajustes, o programa de biodiesel está dando certo e o país já pode pensar em antecipar a adoção de um percentual de mistura de 10% no diesel. Podemos ter estratégias mais agressivas", disse o executivo.

Os reflexos do avanço desse mercado no país e da empresa no segmento aparecem nas margens de esmagamento de soja, que em geral foram melhores em 2009 graças ao óleo de soja.

"Foi um ano bom para o óleo, inclusive para nossas vendas no varejo, e difícil para o farelo [de soja]", afirmou Sousa. As vendas no varejo representam cerca de 30% do faturamento da Caramuru, enquanto as exportações de grãos e derivados respondem por 40% a 45%. Quando um grão de soja é esmagado, o resultado é 20% de óleo e 80% de farelo, e a demanda por este último derrapou também por causa do ano difícil para as carnes.

O biodiesel fortaleceu o papel da soja nos negócios da companhia. Na divisão do faturamento por matéria-prima processada ou não, a soja abocanha 80%, o milho fica com 10% e girassol e canola com a fatia restante, que também inclui serviços como armazenagem, frente na qual a Caramuru conta com 60 unidades com capacidade total para 1,9 milhão de toneladas de grãos.

No total, conforme Sousa, a Caramuru processou e comercializou 3 milhões de toneladas de grãos em 2009. Sua movimentação portuária em Santos, incluindo terceiros, também foi da ordem de 3 milhões de toneladas.

Para o vice-presidente, 2010 pode não ser um ano tão surpreendentemente bom como 2009, em grande medida por causa do câmbio. E não há no horizonte sinais de que a demanda por soja brasileira puxada pela China será tão forte no início de 2010 como foi até maio deste ano, quando a oferta argentina estava magra em razão da seca na safra 2008/09.

Fonte:

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Blog Biodiesel supera a marca dos 300 mil acessos

O Blog sobre Biodiesel nasceu de uma necessidade especifica de ajuntamento de informações sobre o bioconbustível.

Comecei a estudar sobre a matéria e acabei descobrindo que as informações, apesar de serem em grande numero, eram desencontradas e repetidas, era necessário criar um local para que pudesse fazer uma triagem das informações, separando-as por relevância e, muitas vezes fazendo o serviço de complementação dos assuntos trabalhados nas diversas fontes consultadas.

Era na realidade um Blog Pessoal, como é pricipio de todo Blog, acontece que em determinado momento as minhas informações passaram a serem fonte de pesquisa para muitos internaltas interessados em biodiesel e biocombustíveis não só do Brasil como de vários outros locais do Mundo.

Isso acaba se tornando um grande incentivo para novas publicações. Tanto que acabei tendo que separa algumas questões em outros blogs criados com esta finalidade. Assim nasceram:


  • Blog Arquivos: Criado com a finalidade de dar suporte ao Blog Biodiesel


  • Blog Biocombustiveis-Brasil (BIOBRAS): Nascido da necessidade de separar outros tipos de Biocombutíveis do Biodiesel para evitar uma confusão comum, encontrada em nossas pesquisas, na denominação destes tipos de combustíveis. Ele pretende ser um Blog onde podemos encontrar as mais novas informações sobre Biocombustíveis no Brasil e no mundo.


  • Blog Matérias-Primas para Biocombustíveis: onde você pode encontrar as matérias-primas usadas para fabricar Biocombustível no Brasil e no Mundo.


  • Blog Álcool no Brasil: aqui o leitor pode obter as informações sobre o biocombustível Álcool no Brasil.


  • Blog Usinas de Biodiesel no Brasil: você poderá encontrar as informações e localização de todas as Usinas de Biodiesel do Brasil.

Mas, no momento gostaria apenas agradecer a todos o leitores que ajudaram o blog chegar a este numero extremamente significativo.

sábado, 5 de setembro de 2009

B5 confirmado para Janeiro de 2010

Um total de 64 empresas autorizadas a produzir biodiesel e uma capacidade nominal autorizada acima dos 4 bilhões de litros, permitiu ao Governo Federal a bater o martelo e determinar a entrada em vigor, a partir de 1º de janeiro de ano que vem, da obrigatoriedade de um novo percentual de mistura do biodiesel ao diesel comum. O chamado B5, que prevê 5% de mistura no combustível, deve ampliar os investimentos na indústria e consolidar o programa nacional de biodiesel, com maior participação também dos produtores rurais.

Hoje, o Brasil usa uma mistura de 4% o B4. No inicio do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB), o B5 estava previsto para entrar em vigor a partir de janeiro de 2013, com a evolução do plano e apoiado na resposta positiva dada pelo mercado tanto por parte dos produtores de biodiesel, quanto da industria de fabricantes de automóveis (ANFAVEA), permitiu a antecipação da mistura. A antecipação para 2010 agrada o setor.

No Brasil, já se tem feito testes com percentual de 20% a 50% na indústria automobilística normal. A indústria de implementos agrícolas tem equipamentos, tratores com B50 até B100. A Vale do rio Doce já usa B20 em suas locomotivas e se prepara para o uso do B100. Curitiba começou a usar, agora em agosto, ônibus com o B100.

Esta boa resposta do mercado já permite o Governo Federal planejar algumas novas medidas almejando um acréscimo gradativo de 1% na mistura por ano, e, no caso das áreas metropolitanas, poder falar na mistura de 20%, o chamado B20 metropolitano.

Quanto mais aumenta a capacidade de produção de biodiesel no Brasil, maiores são os desafios. Como atender a demanda deste mercado crescente, principalmente pela ampliação da mistura do produto ao diesel? Qual a capacidade de produção no campo. A capacidade da indústria também?

Segundo o diretor-presidente da Brasil Ecodiesel, uma das maiores produtoras de biodiesel no país, Mauro Ceter, a capacidade é total.

— A indústria ainda tem uma sobrecapacidade e ainda convive com o problema de excesso de capacidade. Porém, na medida em que o governo vem aumentando estes índices de utilização do biodiesel no diesel mineral, vem obviamente ajudando o setor a se melhor posicionar — disse Cerchiari.

Fonte: Fontes Diversas

terça-feira, 21 de julho de 2009

Biodiesel é apresentado na Câmara dos Deputados

Um café da manhã na Câmara dos Deputados teve como objetivo apresentar as contribuições da inserção do biodiesel na matriz energética do Brasil e gerar benefícios ambientais.

Do:

Bioquerosene de pinhão-manso poderá ser utilizado na aviação

17/07/09 - A Embrapa Agroenergia, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento realiza workshop “Aspectos Metodológicos da Análise de Ciclo de Vida e Impacto Social da Cultura do Pinhão Manso”, no dia 21 de julho (terça-feira), em Brasília/DF, evento que tem a parceria da Associação Brasileira de Produtores de Pinhão Manso, ABPPM, e a Yale University/USA.

No evento, estarão presentes pesquisadores de universidades e instituições de pesquisa e desenvolvimento, assim como produtores agrícolas e industriais representantes da cadeia produtiva de biodiesel de pinhão manso.

Estão programadas apresentações de trabalhos nesta cultura, realizados pelo Instituto Tamanduá e do projeto “Life Cycle and Social Impact Assessment of Jatropha curcas L. production in Brazil”, pela Yale University. Logo após, serão feitas discussões visando estabelecer o consenso referente aos procedimentos e metodologia a ser adotada, além da definição de parcerias para execução do projeto.

A Yale University está engajada na execução de projeto de pesquisa da Análise do Ciclo de Vida (LCA) e Impacto Social da Jatropha curcas L com potencial para sustentar programa de uso de bioquerosene de aviação da Boeing. O pano de fundo deste trabalho é avaliar a sustentabilidade de biocombustíveis para aviação, com foco no biodiesel de pinhão manso.

Os trabalhos serão executados, com duração de um ano, envolvem os atores da cadeia produtiva desta cultura. A etapa inicial contempla a coleta de dados para estabelecimento de uma "linha de base" com duração inicial de um ano. Para a realização desta etapa, a Yale University já tem os recursos assegurados, antecipa o Chefe de Pesquisa da Embrapa Agroenergia, Esdras Sundfeld.

“Imagina-se que um projeto desta natureza deva evoluir para um estudo de mais longo prazo entre 5 a 7 anos de duração, com dados coletados em 3 a 5 regiões produtoras, com diferentes arranjos produtivos” ressalta Sundfeld. Lembra ainda que a experiência de cultivo comercial de pinhão manso no Brasil é recente, não havendo empreendimentos comerciais com mais de três anos.

Assim, uma questão central para execução das atividades é o método que a Yale University propõe utilizar no trabalho e, especialmente, a estratégia de coleta de dados e a valoração de índices técnicos da cultura que sejam representativos da realidade atual e, também, do futuro quando a planta atingir a totalidade do potencial esperado.

Neste sentido, salienta o Chefe de Pesquisa, os principais produtos esperados deste workshop estão relacionados à definição de uma estratégia metodológica consistente para realização da LCA de pinhão manso, e as responsabilidades e comprometimento dos atores envolvidos - produtores agrícolas, empresas industriais, universidades e instituições de P&D - para a realização deste estudo.


Fonte: Embrapa Agroenergia

Diesel de cana-de-açúcar

O Brasil vem se firmando como um grande pólo de produção de combustíveis renováveis. Mais um passo foi dado no final de junho. Desta vez trata-se do diesel feito da cana-de açúcar. A primeira usina piloto foi inaugurada em Campinas, no interior do estado de São Paulo, pela empresa Amyris Brasil. Pelo menos outras cinco usinas brasileiras já demonstram interesse em investir também no produto. A expectativa é alta. Estimativas iniciais falam em um bilhão de litros produzidos por esse setor em 2014.

A cana-de-açúcar tem se mostrado uma fonte valiosa de energia renovável. Não ameaça o abastecimento de alimentos, como acontece com o milho, e é eficaz como matéria-prima de etanol e de plástico verde. Agora, pode servir também para a produção de diesel. Testes iniciais foram feitos em motores. O rendimento foi equivalente ao produto derivado do petróleo, com uma vantagem: não há, nessa queima, emissão de enxofre. O tipo de diesel feito a partir do petróleo mais usado em veículos que circulam pelas metrópoles libera 0,05% de enxofre, equivalente a 500 partes por milhão.

O diesel feito de cana pode ser misturado ao derivado de petróleo, com redução de emissão de enxofre. É boa notícia para o ambiente e também para os cofres públicos. O Brasil importa diesel. Uma produção nacional em grande escala diminuirá a dependência externa e beneficiará a balança comercial.

A Amyris tem laboratórios nos Estados Unidos e no Brasil. Os primeiros testes começaram na Califórnia. No ano passado teve início a instalação da planta industrial em Campinas. A primeira etapa será modesta. A produção deverá ser de apenas 300 litros por dia. A empresa planeja adquirir mais duas usinas até o final do ano e começar em breve uma produção de 150 milhões de litros por ano. Em 2011 o diesel feito de cana-de-açúcar deverá ser produzido em escala comercial.




Fonte: Terra Online

Acidente de percurso do Biodiesel Nordestino

O fechamento, embora temporário, das usinas da Brasil Ecodiesel de Crateús, no Ceará, e de Floriano, no Piauí, não deve ser visto como desestímulo ao arrojado programa de geração desse combustível do século XXI. A interrupção temporária das indústrias, na versão de seus dirigentes, pode ser encarada como acidente de percurso, diante de um desafio novo, cercado por indefinições de matérias-primas, extração do óleo e seu aproveitamento pelo mercado consumidor. O fato é que a empresa não obteve contratos nos leilões da Agência Nacional de Petróleo.

O início de suas operações coincidiu com a crise financeira internacional, provocando o corte das fontes de crédito externo e impondo maior seletividade nos empréstimos bancários. Pesou e muito a diminuta produção de mamona para extração do óleo adicionado ao diesel no abastecimento da frota nacional de veículos pesados.

A ciência brasileira abriu nova fonte energética - o biodiesel - capaz de promover, especialmente no Nordeste brasileiro, a transformação do perfil de sua agricultura conservadora, sem capitais, explorada em sua quase totalidade pelo cultivo de gêneros de subsistência na contramão das condições ambientais.

De outra parte, o semi-árido, em meio a todas essas desvantagens, é o espaço ideal para o plantio de oleaginosas potencialmente ricas em óleos essenciais, como demonstram as suas lavouras xerófilas. O programa de biodiesel do governo federal tem o propósito de promover a inclusão da agricultura familiar numa escala de maior rentabilidade pelo cultivo, dentre outras oleginosas, da mamona e do pinhão manso para suprir as unidades extratoras do novo combustível. Diante de tais vantagens, o Ceará se antecipou à revolução silenciosa na agricultura, dispondo de capacidade instalada para atingir a produção de até 177 milhões de litros de biodiesel a cada ano. Há, contudo, resistência cultural, oferecida pelos homens do campo em relação às oleaginosas. Mesmo vendo os efeitos produtivos de quem já se lançou no cultivo da mamona.

O governo estadual mantém ativa uma política de reversão deste quadro de resistência, por intermédio da oferta de assistência técnica e distribuição de sementes selecionadas, subsidiando, também, o hectare ocupado com mamona com R$ 200,00 e garantindo a aquisição da safra. Mesmo assim, a produção exigirá algum tempo para atender à demanda das usinas. A falta de matéria-prima desmatela qualquer empreendimento industrial como o de Crateús.

Um projeto dessa natureza exige certo tempo para maturação, ajustes naturais no crescimento e muito trabalho de convencimento dos agricultores desiludidos com ações similares, especialmente em relação à cultura algodoeira. Mesmo assim, em 2007, o Ceará produziu mais de 14 mil toneladas de mamona, esperando, este ano, uma produção superior a 20 mil toneladas.

A experiência do biodiesel consorciado, em curso no semi-árido, desperta interesse em investidores estrangeiros, atentos às matrizes energéticas. Mas ainda devem aguardar a consolidação do programa.

Fonte:

terça-feira, 7 de julho de 2009

Petrobras assina contratos que atenderão 12.300 agricultores familiares do RN

06/07/09 - A Petrobras Biocombustível assinará nesta terça-feira (07/07), às 9h, em Natal (RN), cinco contratos de assistência técnica agrícola que atenderão 12.300 agricultores familiares do Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco.

A prestação de assistência técnica faz parte das obrigações das empresas produtoras de biodiesel conforme a Instrução Normativa n.º 01, de 5 de julho de 2005 do Ministério do Desenvolvimento Agrário, que dispõe sobre a concessão, manutenção e uso do Selo Combustível Social . O objetivo deste trabalho é aumentar a produção de oleaginosas que podem ser usadas como matéria-prima na produção de biodiesel nas usinas da empresa.

A cerimônia terá a presença do presidente da Petrobras Biocombustível, Miguel Rossetto, de secretários de Estado do Rio Grande do Norte e de dirigentes de entidades representativas da agricultura familiar.

O evento abre as atividades do Seminário de Assistência Técnica Agrícola que capacitará 123 profissionais das entidades parceiras que orientarão os agricultores familiares no plantio de mamona e girassol.


Fonte: Tribuna do Norte

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Biodiesel de dendê vai abastecer 216 locomotivas em Carajás

Biodiesel de dendê

A Vale quer que todas as suas locomotivas do sistema Carajás sejam alimentadas por biodiesel de dendê até 2014.

Para isso, a empresa formou uma joint-venture com a Biopalma da Amazônia S.A, criando o maior produtor de óleo de palma, a palmeira de cujo fruto, o dendê, é retirado o óleo. O investimento total será de US$500 milhões. A fábrica de biodiesel propriamente dita será integralmente da Vale.

O objetivo é produzir o combustível que irá alimentar toda a frota de 216 locomotivas do Sistema Norte, bem como as máquinas e equipamentos de grande porte das minas de Carajás.

Menos CO2 emitido

Estima-se que a produção anual de óleo da nova empresa alcance 500 mil toneladas anuais. Parte dessa produção será transformada em 160 mil toneladas de biodiesel para a Vale, que serão utilizadas para auto-consumo. O restante do óleo de palma produzido será comercializado pela Biopalma.

Este volume de biodiesel corresponde à redução de cerca de 12 milhões de toneladas de CO2 equivalente na atmosfera durante a duração do projeto, em relação às emissões do diesel comum, desconsideradas as emissões relativas à cadeia produtiva do biodiesel. Isso corresponde à emissão de mais de 200 mil carros circulando no mesmo período.

Empregos no campo e conservacionismo

O consórcio, que tem 41% de participação da Vale, vai gerar cerca de 6 mil empregos diretos no campo e a possibilidade de renda para 2 mil famílias de pequenos produtores. O empreendimento abrange uma área de cerca de 130 mil hectares, em uma região que possui um dos menores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do país. Deste total, serão usados 60 mil hectares para o plantio da palma, totalizando 9,3 milhões de mudas até 2013.

Essa área corresponde a aproximadamente 49 mil campos de futebol das dimensões do Maracanã. O restante (70 mil ha) será protegido e recuperado pelo consórcio. Com isso, a Vale contribuirá para a recuperação e a conservação de ecossistemas do bioma Amazônico, estabelecendo na região referência para essas práticas.

Mistura do biodiesel

A partir de 2014, a Vale utilizará a mistura B20 (20% de biodiesel e 80% de diesel comum) na Estrada de Ferro Carajás e em algumas operações de mineração do Sistema Norte. A parceria com a Biopalma vai permitir que a Vale se torne autossuficiente na produção do B20. Ao mesmo tempo, a empresa irá conseguir se antecipar à regulamentação que prevê o uso do B20 para 2020.

Em 2008, o consumo de óleo diesel puro da Vale no Brasil foi de 940 milhões de litros, sendo 336 milhões nas unidades do Sistema Norte. O volume de biodiesel puro (B100 - sem mistura com diesel) consumido no ano foi 19 milhões de litros, sendo 7 milhões no Sistema Norte.

Até o final de 2009, a empresa pretende plantar mais 2 milhões e 300 mil mudas de palma, além das 800 mil que já foram plantadas. Os primeiros frutos para a produção de óleo deverão ser colhidos em 2011. O biodiesel começará a ser produzido em 2014.

Fonte: Redação do Site Inovação Tecnológica - 30/06/2009

Programa Nacional de Biodiesel garante Diesel mais limpo no Brasil

O diesel comercializado no Brasil ficará mais limpo a partir de 1º de julho por conta do aumento de 3% para 4% do percentual da adição de biodiesel ao diesel derivado de petróleo.



Essa medida foi adotada por determinação do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) com base nas condições favoráveis de oferta e de demanda geradas pela organização da cadeia produtiva de biodiesel no País. A criação desse novo mercado é resultado do lançamento, em 2004, do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) - política pública do governo federal que tem como objetivo garantir a implementação, de forma sustentável, tanto técnica como economicamente, da produção e do uso desse combustível, limpo e renovável, em todo território nacional.

Coordenado pelo Ministério de Minas e Energia (MME), o programa de biodiesel é resultado de uma ação interministerial centrada nas seguintes diretrizes: sustentabilidade da produção; promoção da inclusão social; garantia de preço, qualidade e suprimento; e diversificação de matérias-primas. Nos últimos cinco anos, o mercado se consolidou a partir de um marco regulatório estável e de uma série de leilões de compra. Um ano e meio após a entrada em vigor no País da mistura obrigatória de biodiesel no diesel, o Brasil já se destaca como um dos maiores produtores e consumidores dessa fonte alternativa no mundo, o que reforça a vocação brasileira para a produção de combustíveis limpos e renováveis.

Biodiesel garante energia mais limpa e reduz importações

O ganho ambiental proporcionado pelo uso do biodiesel se dá pelo fato dessa fonte alternativa garantir um balanço muito mais sustentável na produção de combustíveis veiculares por conta da absorção de gases de efeito estufa na etapa agrícola, o que não ocorre com derivados de petróleo. Ou seja: o que o veículo emite na queima do combustível é anulado na fase do crescimento da planta quando há captura de gases de efeito estufa como o dióxido de carbono e o metano.

Outro benefício gerado pelo programa é a redução da dependência brasileira de importação de diesel, o que representa economia de divisas para o País. É por meio de políticas públicas como a do biodiesel que o Brasil reforça, novamente, sua vocação de grande produtor de combustível limpo e renovável ao consolidar um programa que proporciona ganhos econômicos, sociais e ambientais ao País.

Histórico - A obrigatoriedade da adição de biodiesel ao diesel entrou em vigor em janeiro de 2008 e, neste curto espaço de tempo, essa medida já colocou o Brasil entre os maiores produtores mundiais de biodiesel com uma produção anual de 1,17 bilhão de litros em 2008. Hoje, o Brasil conta com 42 usinas instaladas cuja capacidade total de produção é de 3,6 bilhões de litros de biodiesel por ano.

A partir de um marco regulatório estável e de 14 leilões promovidos pelo governo federal nos três últimos anos, foi possível organizar a cadeia produtiva de forma a garantir o atendimento pleno do mercado com a geração de emprego e renda nas diferentes regiões do País. O êxito do programa pode ser comprovado pelo aumento gradativo da mistura de 2% para 3% (em julho de 2008), e para 4%, a partir de julho de 2009, como forma de absorver o crescimento da produção registrado nos últimos anos.

O programa estimula também a organização da participação da agricultura familiar. O resultado disso é que agricultores familiares já são responsáveis por cerca de 15% da produção de matéria-prima direcionada à indústria brasileira de biodiesel e 31 usinas já receberam o Selo Combustível Social. Essas usinas respondem por mais de 90% do volume contratado nos leilões.

Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) garante Diesel mais limpo no Brasil

O diesel comercializado no Brasil ficará mais limpo a partir de 1º de julho por conta do aumento de 3% para 4% do percentual da adição de biodiesel ao diesel derivado de petróleo. Essa medida foi adotada por determinação do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) com base nas condições favoráveis de oferta e de demanda geradas pela organização da cadeia produtiva de biodiesel no País. A criação desse novo mercado é resultado do lançamento, em 2004, do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) - política pública do governo federal que tem como objetivo garantir a implementação, de forma sustentável, tanto técnica como economicamente, da produção e do uso desse combustível, limpo e renovável, em todo território nacional.

Coordenado pelo Ministério de Minas e Energia (MME), o programa de biodiesel é resultado de uma ação interministerial centrada nas seguintes diretrizes: sustentabilidade da produção; promoção da inclusão social; garantia de preço, qualidade e suprimento; e diversificação de matérias-primas. Nos últimos cinco anos, o mercado se consolidou a partir de um marco regulatório estável e de uma série de leilões de compra. Um ano e meio após a entrada em vigor no País da mistura obrigatória de biodiesel no diesel, o Brasil já se destaca como um dos maiores produtores e consumidores dessa fonte alternativa no mundo, o que reforça a vocação brasileira para a produção de combustíveis limpos e renováveis.

Biodiesel garante energia mais limpa e reduz importações

O ganho ambiental proporcionado pelo uso do biodiesel se dá pelo fato dessa fonte alternativa garantir um balanço muito mais sustentável na produção de combustíveis veiculares por conta da absorção de gases de efeito estufa na etapa agrícola, o que não ocorre com derivados de petróleo. Ou seja: o que o veículo emite na queima do combustível é anulado na fase do crescimento da planta quando há captura de gases de efeito estufa como o dióxido de carbono e o metano.

Outro benefício gerado pelo programa é a redução da dependência brasileira de importação de diesel, o que representa economia de divisas para o País. É por meio de políticas públicas como a do biodiesel que o Brasil reforça, novamente, sua vocação de grande produtor de combustível limpo e renovável ao consolidar um programa que proporciona ganhos econômicos, sociais e ambientais ao País.

Histórico - A obrigatoriedade da adição de biodiesel ao diesel entrou em vigor em janeiro de 2008 e, neste curto espaço de tempo, essa medida já colocou o Brasil entre os maiores produtores mundiais de biodiesel com uma produção anual de 1,17 bilhão de litros em 2008. Hoje, o Brasil conta com 42 usinas instaladas cuja capacidade total de produção é de 3,6 bilhões de litros de biodiesel por ano.

A partir de um marco regulatório estável e de 14 leilões promovidos pelo governo federal nos três últimos anos, foi possível organizar a cadeia produtiva de forma a garantir o atendimento pleno do mercado com a geração de emprego e renda nas diferentes regiões do País. O êxito do programa pode ser comprovado pelo aumento gradativo da mistura de 2% para 3% (em julho de 2008), e para 4%, a partir de julho de 2009, como forma de absorver o crescimento da produção registrado nos últimos anos.

O programa estimula também a organização da participação da agricultura familiar. O resultado disso é que agricultores familiares já são responsáveis por cerca de 15% da produção de matéria-prima direcionada à indústria brasileira de biodiesel e 31 usinas já receberam o Selo Combustível Social. Essas usinas respondem por mais de 90% do volume contratado nos leilões.


Fonte: Ministério Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Imprensa

Do:

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Usina de Biodiesel em Montes Claros - MG é um "elefante branco"

Para quem pensava que Elefante Branco era uma raça em extinção, é um ledo engano! Olha aí, nasceu mais um... e é dos grandes! - Comentário Telmo Heinen


A usina de biodiesel Darcy Ribeiro, inaugurada pela Petrobras em Montes Claros, já nasceu com fama de elefante branco. "O problema é de localização (está a 417 km de Belo Horizonte). A escolha é política e não técnicoeconômica", criticou o consultor Univaldo Vedana, do portal http://www.biodieselbr.com A usina custou cerca de R$100 milhões.

Para uma usina de biodiesel dar certo são dois os pré-requisitos: ficar perto do consumidor e da produção agrícola. "No caso de Montes Claros, nenhum desses detalhes foi observado", reforça Vedana, para quem a produção será viabilizada em uma década.

Outro crítico da instalação da planta em Montes Claros é o professor Antônio Machado, coautor do livro "Biodiesel Produção e Desafios", junto com o professor Herbert Martins. "É um projeto absurdo. O biodiesel vai fazer turismo energético de Montes Claros para Uberlândia, Brasília ou Betim para ser misturado. Isso vai aumentar o custo com o frete", disse.

No quesito custos, Vedana apresenta a seguinte conta: R$ 2 o litro de soja, mais R$ 0,30 pelo processo de transesterificação (veja quadro), outros R$ 0,50 de PIS e R$ 0,22 de Cofins, R$ 0,36 de ICMS, R$ 0,30 de custo da usina, mais lucro da usina de R$ 0,20, atingindo, no total, R$ 4. "Isso sem margem de lucro para ninguém da distribuidora e na bomba, o que tornaria seu preço inviável economicamente", ressalta.

No último leilão de biodiesel da Agência Nacional de Petróleo (ANP), realizado em fevereiro, a Petrobrás vendeu a R$ 1,70 o litro. Um valor bem distante do custo de produção de R$ 4.

A rota metílica também gera polêmica. A tecnologia utilizada pelas grandes usinas brasileiras é importada de empresas como a norte-americana Krowon, assim como o álcool metanol é adquirido, na maior parte, dos nossos vizinhos chilenos. O metanol é necessário para separar o biodiesel da glicerina encontrada nos óleos vegetais e animais, num processo chamado transesterificação. Outro componente eficiente na separação é o etanol, o álcool anidro utilizado como combustível e produzido a partir da cana-de-açúcar.

Baseado em metanol, o consultor Univaldo Vedana explica que o mote do "biodiesel verde" cai por terra porque não é 100% renovável. O professor Antônio Machado descreve o metanol como um combustível fóssil. "Quando queima, está incorporando no meio ambiente um carbono que já tinha sido retirado dele. É usado porque a reação é mais econômica", explica.

SONHO

O biodiesel é um projeto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que chegou a descrevê-lo como "uma das coisas que mais me tocam neste governo". A produção atingiu 1,2 bilhão de litros no ano passado e conta com capacidade instalada de 3,7 bilhões de litros em janeiro deste ano, de acordo com a ANP. É um dos projetos mais defendidos e badalados pelo atual governo.

A dona de 90% da produção mundial de biodiesel ainda é a União Europeia com mais de 1,35 milhão de toneladas anuais. Na Europa o processo começou na década de 90.

A Petrobras não se manifestou sobre o assunto e não apresentou respostas quanto aos custos de produção das usinas (O Tempo[MG], 13/04/09)

Fonte: Telmo Heinen – ABRASGRÃOS – Formosa (GO)

segunda-feira, 13 de abril de 2009

O Programa de Biodiesel: Uma Análise do Mercado

09/04/09 - Em 27 de fevereiro, a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) realizou o 13° Leilão de Biodiesel, em que foram comercializados 315 milhões de litros do combustível. O leilão foi realizado na forma de pregão presencial, constando de duas rodadas de ofertas de preço, ao final das quais os ofertantes com menores preços vencem.

Das 36 unidades produtoras credenciadas, 25 venderam o produto. A Oleoplan vendeu o maior volume, com 13,5% dos 315 milhões de litros leiloados, seguida pela Brasil Ecodiesel (13,4%), Granol (13,3%) e Petrobras Biocombustível (10,7%). A maior parte do biodiesel vendido é proveniente da região Sul, responsável pela comercialização de 109,1 milhões de litros, ou 34,6% do total vendido. A região Centro-Oeste ficou em segundo lugar, comercializando 83 milhões de litros, ou 26,3% do total, seguida pela região Sudeste, com 66,1 milhões de litros, ou 21% do total, e pela região Nordeste, com 55,7 milhões de litros ou 17,7% do total. A região Norte teve a menor participação nos resultados, com apenas 1,2 milhões de litros ou 0,4% do total.

Os treze leilões já negociaram 2.570 milhões de litros de biodiesel. Nestes leilões, a Brasil Ecodiesel foi destaque, vendendo 874,2milhões de litros, ou 34% do volume total comercializado, seguida pela Granol, com 323,8 milhões de litros, ou 12,6% do total.
O preço médio[1] do leilão ficou em R$ 2,155/litro, com um deságio de 8,7% em relação ao preço máximo de referência do leilão de R$ 2,360/litro e 9,8% abaixo do preço médio de R$ 2,388/litro do leilão anterior. Pesou nos resultados do leilão o preço de venda da Petrobras Biocombustível, de R$ 1,700/litro, que foi o menor ofertado, com um deságio de 27,97% em relação ao preço máximo de referência. Este preço surpreendeu por apresentar uma margem de apenas 22% sobre o preço do óleo de soja, que, em fevereiro, registrou a média de R$ 1,399/litro no Porto de Paranaguá, segundo a Bolsa de Mercadoria de Chicago.

Com relação aos compradores de biodiesel no leilão, excluídos as compras de agentes com participação inferior a 1%, a Petrobras adquiriu 93,85% do volume total vendido e a Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), uma sociedade entre a Petrobras, com 70% e a Repsol com os outros 30%, ficou com 6,15%.

Os 804,7 milhões de litros ofertados no 13º leilão superaram em 155% o volume total das vendas, demonstrando o grande interesse dos produtores. Após operarem com prejuízos até o primeiro semestre de 2008, os leilões da ANP voltaram a se tornar atraentes para os produtores, por conta da queda do preço do óleo de soja, cujo preço caiu 32% em um ano, e do aumento do preço máximo de referência fixado pelo governo, que evoluiu de R$ 1,92/litro, no primeiro leilão, para R$ 2,36/litro nesse último.

O 13º Leilão objetiva cumprir a Resolução n° 2 do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), em vigor desde julho de 2008, que estabeleceu o teor mínimo de 3% de mistura obrigatória de biodiesel ao óleo diesel. Em vista da elevada oferta no 13° Leilão, o Governo já considera a antecipação da mistura de 4% para meados de 2009. Esta medida, porém, traz preocupação, devido ao impacto que a elevação da mistura pode acarretar sobre o preço do diesel ao consumidor final. Estima-se que o preço médio do biodiesel, sem tributos[2], no 13° Leilão seja de R$ 1,98/l. Conforme Gráfico 1, este preço é 50% mais caro que o diesel produzido no Brasil[3] e 135% mais caro que o diesel produzido no exterior[4]

A questão é saber quem pagará pela diferença de preço, especialmente quando o mercado se arrefecer. O governo anunciou a concessão de subsídios tributários, que no fundo serão bancados pela sociedade, e o BNDES acenou com a flexibilização das garantias exigidas e o alongamento dos prazos de pagamento dos empréstimos aos produtores. Se esses mecanismos não forem suficientes, a diferença certamente será paga pelo consumidor na hora de abastecer o veículo.

Ao se enumerar os aspectos negativos do programa, não se pretende de forma alguma condenar o biodiesel. Muito pelo contrário, consideramos que o biodiesel é um combustível do futuro. O que preocupa é a falta de transparência do governo na elaboração do atual programa. As discussões travadas durante a sua concepção envolveram apenas os principais interessados diretos e indiretos, tendo inclusive sido encaminhado ao Congresso através de medida provisória. Não se procedeu a uma análise de custo-benefício para comprovar que o programa é a melhor forma de se alocar recursos públicos e dos consumidores para promover a inserção social das populações rurais do Nordeste. Finalmente, não se estabeleceu cronograma para retirada dos subsídios concedidos, para evitar que se tornem permanentes.

Ao lançar o programa de biodiesel, o governo colocou a carroça na frente dos bois. O mercado de combustíveis automotivos não admite improvisos nem soluções conjunturais. Nele estão envolvidos montadoras de veículos, produtores e distribuidores de combustíveis e consumidores. O desenvolvimento tecnológico de veículos e as suas linhas de produção requerem pesados investimentos e longo prazo de maturação. Além do mais, as cadeias de produção, armazenagem, distribuição e revenda são complexas e específicas para cada combustível. Em relação ao consumidor, a aquisição de um veículo incorpora um alto grau de assimetria de informação. Portanto, é fundamental protegê-lo contra a oferta de veículos tecnologicamente inadequados e combustíveis que tenham preços artificialmente baixos.

A existência de um leque de combustíveis automotivos, e a competição entre eles, é salutar e bem-vinda para aumentar as opções do consumidor e reduzir preços e impactos ambientais. No entanto, antes de se ter novos programas, o país deve definir uma política de longo prazo para a matriz nacional de combustíveis automotivos, bem como uma política tributária, que permita internalizar os custos ambientais dos combustíveis mais poluentes.

Adriano Pires
Da Agência

quarta-feira, 8 de abril de 2009

"Biocombustíveis: 50 perguntas e respostas sobre este novo mercado”

Desde 30 de março a UDOP transcreve em seu portal as principais questões que a Petrobras elaborou para uma cartilha com 50 perguntas para explicar a importância dos biocombustíveis, seus mercados e vantagens. O material intitulado de “Biocombustíveis: 50 perguntas e respostas sobre este novo mercado” pode ser conhecido na integra clicando aqui.


Da Agência

sexta-feira, 27 de março de 2009

Biodiesel propicia ganho de quase US$ 1 bi na balança comercial brasileira

Com o biodiesel, evitou-se a importação de 1,1 bilhão de litros de diesel de petróleo em 2008, o que representa um ganho de aproximadamente US$ 976 milhões na balança comercial. Mesmo assim, a importação líquida de diesel ultrapassou 4 bilhões de litros em 2008 (1), com aumento de 36% em relação a 2007. O dispêndio dessa importação foi US$ 4,9 bilhões (+97%), contra US$2,5 bilhões em 2007. Ou seja, aumentou-se a dependência do país num combustível específico, seja em termos de volume demandado, seja em valor monetário.

Este gasto contraproducente na balança comercial brasileira teria sido ainda maior se não houvesse a mistura compulsória de biodiesel (B2 no 1º semestre e B3 no 2º semestre). Além desse fato positivo para o biodiesel, há de se considerar efeitos indiretos de sua produção e uso: propicia a movimentação de economias locais e regionais, seja na etapa agrícola ou na indústria de bens e serviços. Mais do que um combustível ambiental e socialmente correto, o biodiesel se configura como uma solução para mitigar ou eliminar a dependência de diesel importado.

Produção e exportação de etanol mostram forte crescimento em 2008

As exportações brasileiras de etanol bateram um novo recorde em 2008, totalizando o volume de 5,16 bilhões de litros. Esse volume corresponde a mais do dobro das exportações de gasolina pela Petrobras no mesmo período. O preço médio FOB ficou em US$0,47/litro em 2008, 16% superior ao preço praticado em janeiro de 2008. O maior destino das nossas exportações foram os Estados Unidos (2,86 bilhões de litros), incluindo-se o etanol exportado para desidratação no Caribe e reexportação para os EUA.

O mercado dos EUA, em particular, é extremamente sensível aos níveis de preço do petróleo, que exerce influência imediata nos preços da gasolina, concorrente direto do E85 (mistura com 15% de etanol). Em 2008, observou-se na prática os efeitos de uma volatilidade nos preços do petróleo como há muito não se via. A cotação do Brent alcançou a cifra inimaginável de US$144,22 em 03 de julho, considerada por muitos analistas como artificial. Terminou o ano com a não menos artificial cifra de US$33,65. Uma queda de 77% no preço do petróleo.

O câmbio reagiu e a moeda brasileira se desvalorizou praticamente na mesma proporção, saindo do patamar de R$1,55/US$ em 1º de agosto e alcançando a relação R$2,50/US$ em 05 de dezembro. Uma desvalorização de 63%. Para efeito da competitividade do produto brasileiro, o efeito da queda do preço do petróleo foi praticamente compensado pelo impacto da desvalorização do Real.

(1) Valores de dez/08 ainda não disponíveis. Assumiram-se, nesse cálculo, os mesmos valores do mês anterior para dez/08.

Fonte: MME

Ameaças ao biodiesel

Enquanto o petróleo estava caro (chegou aos US$ 147 por barril em julho de 2008) eram os preços da matéria-prima, especialmente os da soja, que, por tabela, inviabilizavam o produto. Agora que os preços do petróleo voltaram aos US$ 40 (veja o Confira), é o petróleo barato demais que estraga o negócio.

O biodiesel só chega às bombas dos postos de combustíveis como integrante da mistura obrigatória determinada pelo governo de 3% de biodiesel para 97% de diesel derivado de petróleo, não importando o preço do produto alcançado em leilão.

Em 2008, o Brasil importou 4 bilhões de litros de diesel para complementar as necessidades internas. Graças à utilização do biodiesel, dispensou importações adicionais de 1,1 bilhão de litros de diesel, o que proporcionou ganho de US$ 980 milhões na balança comercial.

Mas a forte volatilidade dos preços, tanto das matérias-primas do biodiesel quanto do próprio diesel, mantêm o futuro do biodiesel envolto em sombras.

O analista Univaldo Vedana, do BiodieselBR, acredita que a viabilidade do negócio ainda depende de atos de vontade do governo, como o de aumentar progressivamente a participação obrigatória do biodiesel na mistura com o diesel, fator que aumentaria a escala de produção.

Os produtores esperam que ainda em 2009 o governo regulamente o aumento da proporção da mistura, de 3% para 5%. Mas observam que seria mais fácil engatar a segunda marcha no programa se os preços do petróleo voltassem para a altura dos US$ 85 por barril, o que implicaria alta de mais de 100% sobre os atuais preços internacionais.

As 33 produtoras do setor que participaram do 12º Leilão de Biodiesel da Agência Nacional do Petróleo (ANP), realizado em novembro, concordaram em entregar o produto a R$ 2,40 por litro. No entanto, hoje, o preço do diesel comum, ajustado quando os preços do petróleo estavam em US$ 120, oscila em torno de R$ 2,00.
A entrega de 330 milhões de litros de biodiesel no primeiro trimestre do ano, a que a indústria se comprometeu nesse leilão, está em princípio garantida. E isso é assim porque, mais do que o petróleo, o grande vilão dessa história é o óleo de soja, principal matéria-prima do biodiesel no Brasil.

Em junho de 2008, os custos de produção do biodiesel superavam R$ 2,00 por litro, enquanto os preços pagos de leilão eram de R$ 1,60. Foi por isso que alguns produtores não entregaram o volume de biodiesel a que se comprometeram e, assim, prejudicaram a credibilidade do negócio, sem que por isso tenham sido punidos.
O setor está mais preocupado agora em encontrar a "cana-de-açúcar do biodiesel", a matéria-prima barata que viabilize definitivamente o negócio. O crambe e o pinhão manso prometem, mas as experiências com esses produtos ainda não são conclusivas.

De todo modo, as pressões dos ambientalistas e o apoio anunciado pelo governo Barack Obama ao desenvolvimento de fontes de energia alternativa são um alento nessa hora de muita incerteza para o segmento.

Fonte: Expresso MT

Resíduo da fabricação do biodiesel de mamona pode ser usado na ração animal

Projeto desenvolvido pela Embrapa Agroindústria de Alimentos, localizada no Rio de Janeiro, quer mostrar que resíduos da fabricação do biodiesel, a partir da mamona, podem ser aproveitados, em vez de irem para o lixo.

Um desses co-produtos é a torta de mamona. Usada atualmente no Brasil apenas como adubo orgânico em hortas e jardins, a torta de mamona, devido ao seu valor protéico, pode substituir a torta de soja como alimento animal, significando barateamento de custos para o produtor rural e os fabricantes de rações.

A torta de mamona tem 40% de proteínas, o que corresponde ao valor da torta de soja usada na alimentação de animais e na preparação de rações.

Para isso, porém, ela precisa ser desintoxicada, isto é, necessita ter retiradas as substâncias tóxicas e alergênicas presentes nas sementes da mamona. Essas substâncias podem gerar quadros de conjuntivite, dermatite, faringite e bronquite em pessoas não protegidas. Além disso, elevados teores em rações podem causar a morte dos animais.

A Embrapa Agroindústria de Alimentos já conseguiu desativar os agentes da torta da mamona considerados como tóxicos. Em paralelo, a Embrapa Caprinos, situada em Sobral (CE), está realizando os testes no campo, utilizando esse ingrediente já desintoxicado na alimentação animal.

Segundo informou à Agência Brasil o coordenador da pesquisa na Embrapa Agroindústria de Alimentos, José Luis Ascheri, a expectativa é que no segundo semestre deste ano o co-produto do biodiesel possa entrar em fase de industrialização, visando sua comercialização no mercado de rações animais.

“A indústria que trabalha com a exploração da mamona vai ter sempre torta sobrando a preço baixíssimo. E, a partir da pesquisa, os empresários vão investir em um sistema de extrusão que resultará em um produto com valor agregado”, disse.

Outro co-produto do biodiesel que está sendo estudado é o glicerol, ou glicerina, “para se encontrar formas de purificar e, depois, ser colocado no mercado a preços mais competitivos, já que é um ingrediente que está sendo descartado do processo de extração do biodiesel”, revelou o pesquisador. O glicerol pode ser usado na indústria farmacêutica e na fabricação de sabonetes.

O projeto de utilização da torta de mamona na alimentação animal será apresentado pela Embrapa Agroindústria de Alimentos no Show Rural Coopavel, que será aberto hoje, em Cascavel (PR). O evento reunirá, até o dia 13 deste mês, produtores e técnicos para discutir inovações na agricultura familiar.

Fonte:

Desempenho da Produção Brasileira de Biodiesel em 2008

A preocupação com o meio ambiente na emissão de poluentes e a intenção de reduzir a importação de diesel mineral são alguns dos fatores que contribuem para o crescimento da produção brasileira de biodiesel, a qual passou de 736m3, em 2005, para 404 mil m3, em 2007.

A Lei 11.097/05 estabeleceu que em janeiro de 2008 todo óleo diesel comercializado no Brasil deveria conter 2% de biodiesel, sendo assim a produção estimada de biodiesel para 2008 seria de 889.157,66m3/ano1. No entanto, o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) antecipou a adição de 3% de biodiesel ao óleo diesel2, a partir de 01 de julho de 2008, e o consumo estimado de biodiesel passou a ser de 1.118.943,32m3/ano ou 1,118 milhão de litros.

A produção brasileira de biodiesel em 2008 foi de 1.164.332 m3/ano e os principais Estados produtores foram: Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Goiás (Figura 1).

Figura 1 - Produção Brasileira de Biodiesel por Unidade da Federação, 2007 e 2008.
Fonte: ANP3 (2009).

Com relação ao desempenho dos Estados na produção brasileira de biodiesel, entre 2007 e 2008, verifica-se que Mato Grosso obteve um expressivo crescimento (1.759,76%), o que pode ser atribuído a autorização para funcionamento de mais cinco usinas.

No Rio Grande do Sul, a ANP liberou o funcionamento de uma usina com a capacidade autorizada para produção de 237.600m3/ano. No Estado de São Paulo, além do aumento da capacidade das usinas já instaladas, em 2008 houve a inclusão de mais uma indústria de biodiesel.

De acordo com o Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB), o país não deve privilegiar rotas tecnológicas, matérias-primas e escalas de produção agrícola e agroindustrial. No entanto, a soja ainda é a oleaginosa preponderante (Figura 2). De acordo com a ANP, em dezembro de 2008, as principais matérias-primas utilizadas na produção de biodiesel foram: de óleo de soja, de sebo, de óleo de algodão e outros materiais graxos.

Figura 2 - Principais Matérias-Primas Utilizadas na Produção de Biodiesel, Dezembro de 2008.
Fonte: Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP. Boletim mensal de biodiesel. Disponível em: <http://www.anp.gov.br/>. Acesso em: 2009.

Normalmente por questões de redução no custo de logística é praxe as unidades produtivas locarizarem-se próximas à matéria-prima. Embora o biodiesel possa ser produzido com qualquer ácido graxo, os óleos vegetais são considerados a principal matéria- prima para produção de biodiesel. No entanto, nem todo importante Estado produtor de grãos oleaginosos destaca-se na produção de óleos vegetais (Figura 3) ou mesmo de biodiesel. Em meados dos anos 1990 muitas empresas produtoras de óleos vegetais deslocaram-se da Região Sul do Brasil para Região Centro-Oeste, buscando não só a proximidade dos grãos oleaginosos como também os incentivos fiscais concedidos.

Nesse sentido, as usinas de biodiesel podem ser verticalizadas junto às usinas de álcool etílico a exemplo da Barralcool, ou de óleos vegetais, como a ADM, Cargill e etc. Destaca-se também que a grande maioria das usinas de Biodiesel são produtoras independentes.

Figura 3 - Capacidade de Processamento de Óleos Vegetais, por Unidade da Federação, 2008.
Fonte: Elaborada pelas autoras com base nos dados da Abiove4 (2009).

O Rio Grande do Sul produz soja5, amendoim e é classificado como o segundo maior produtor brasileiro de girassol. Esse Estado ocupa a segunda posição no ranking da capacidade instalada para produção de óleos vegetais do Brasil e o primeiro na produção de combustível verde.

Na safra 2007/2008, Goiás ocupou o quarto lugar na produção de grãos com destaque para soja e algodão, e o terceiro lugar na produção de biodiesel. No entanto, o Estado consta com instalações para processar 5,7 milhões de t/ano de oleaginosas, colocando-se em quarto lugar na capacidade instalada em produzir óleos vegetais.

O Mato Grosso destaca-se na produção nacional de grãos de soja, girassol e de algodão, sendo a terceira maior capacidade para esmagamento de oleaginosa (7,4 milhões de t/ano), e com quatro usinas de biodiesel, totalizando uma capacidade de produção de 437.740m3/ano, ocupa o segundo lugar na produção brasileira de diesel vegetal6.

O Paraná sedia a maior parte de instalações para produção de óleos vegetais do Brasil, perfazendo um total de 10,5 milhões de t/ano. O Estado é o segundo produtor de oleaginosas sendo que os principais grãos cultivados são: soja, algodão e amendoim. No entanto, ocupa o décimo lugar na produção de aditivo verde.

Piauí, Tocantins e Pará tiveram um desempenho desfavorável na produção brasileira de biodiesel, bem como Bahia, Ceará e Minas Gerais, onde se destaca a produção de mamona.

No entanto, mesmo com diversos estados apresentando taxas negativas (Figura 1) de crescimento, o Brasil foi capaz de produzir 1.164.332,00m3/ano de biodiesel, equiparando a oferta à demanda. Conclui-se que qualquer intempérie na produção de matérias-primas para o biodiesel inibe o equilíbrio do mercado.

_________________________
1O Brasil em 2008 consumiu aproximadamente 44.763.952 m3/ano, ou seja, 44 bilhões de litros de óleo diesel.

2BRASIL. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Resolução ANP nº. 7, de 19 de março de 2008. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2009.

3Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis – ANP. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2009.

4Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais – Abiove. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2009.

5COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB. Acompanhamento da safra brasileira. Disponível em: . Acesso em 22 jan. 2009.

6Biodiesel também é conhecido como aditivo verde ou diesel vegetal.

Palavras-chave: biodiesel, agroenergia, mercado agrícola, óleos vegetais.

Fonte: IEA - Instituto de Economia Agrícola

UE cobrará taxa extra de biodiesel dos EUA

Exportadores americanos de biodiesel terão de pagar extra depois que a União Europeia anunciou ontem tarifas temporárias antidumping e antisubsídios.

Uma comissão de comércio da Comissão Europeia (CE) impôs tarifas de 29 (US$ 32,88) a 41 euros por 100 quilos por um período inicial de seis meses, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. Esta é a mais nova iniciativa na disputa transatlântica, e chega em um momento de preocupação com o protecionismo.

Os produtores europeus jogam a culpa por seus infortúnios nas importações de biodiesel dos EUA, que se beneficia de subsídio de US$ 1 por galão. A ajuda, alegam, elevou os embarques do país à Europa para 1,5 milhão de toneladas no ano passado - contra 60 mil toneladas em 2006.

Ao menos 15 produtores europeus declararam falência em dois anos, segundo o Conselho Europeu de Biodiesel (EBB, na sigla em inglês), e mais de uma dezena reduziu a sua produção.

A EBB estima que, após investir pesado para alcançar uma capacidade de produção de 16 milhões de toneladas de biodiesel, a produtividade é inferior a 40%.

Os produtores americanos, por sua vez, dizem que seus competidores europeus sofrem de ineficiência operacional e localização geográfica insatisfatória.

A Comissão Europeia deverá publicar uma decisão formal sobre as tarifas adicionais no próximo dia 12, e elas entrariam em vigor no dia seguinte. Após quatro meses, essas tarifas adicionais podem ser estendidas por até cinco anos.

Fonte:

UE cobrará taxa extra de biodiesel dos EUA

Exportadores americanos de biodiesel terão de pagar extra depois que a União Europeia anunciou ontem tarifas temporárias antidumping e antisubsídios.

Uma comissão de comércio da Comissão Europeia (CE) impôs tarifas de 29 (US$ 32,88) a 41 euros por 100 quilos por um período inicial de seis meses, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. Esta é a mais nova iniciativa na disputa transatlântica, e chega em um momento de preocupação com o protecionismo.

Os produtores europeus jogam a culpa por seus infortúnios nas importações de biodiesel dos EUA, que se beneficia de subsídio de US$ 1 por galão. A ajuda, alegam, elevou os embarques do país à Europa para 1,5 milhão de toneladas no ano passado - contra 60 mil toneladas em 2006.

Ao menos 15 produtores europeus declararam falência em dois anos, segundo o Conselho Europeu de Biodiesel (EBB, na sigla em inglês), e mais de uma dezena reduziu a sua produção.

A EBB estima que, após investir pesado para alcançar uma capacidade de produção de 16 milhões de toneladas de biodiesel, a produtividade é inferior a 40%.

Os produtores americanos, por sua vez, dizem que seus competidores europeus sofrem de ineficiência operacional e localização geográfica insatisfatória.

A Comissão Europeia deverá publicar uma decisão formal sobre as tarifas adicionais no próximo dia 12, e elas entrariam em vigor no dia seguinte. Após quatro meses, essas tarifas adicionais podem ser estendidas por até cinco anos.

Fonte:

Comunidades rurais de Rondonópolis poderão produzir biodiesel

A produção de biodiesel, a partir da extração do óleo de Pinhão Manso - Jatropha curcas , deve incrementar a geração de renda no campo e melhorar a qualidade de vida do pequeno produtor de Rondonópolis. A implantação do projeto nas comunidades rurais locais é alvo de estudo e planejamento dentro da Secretaria de Agricultura e Pecuária do Município. O secretário Valdir Correia iniciou as discussões em reunião com representantes de empresas de gestão e pesquisa do biodiesel e associações de pequenos produtores do município e da região, na semana passada.

A proposta de produção do biodiesel foi apresentada pelos representantes do Programa de Gestão Pública e Privada (PGPP), Jorge Imperatore e simone Brum, e o representante da Empresa Arcus de Pesquisa de Biocombustível, José Luiz Vargas da Silva. O estudo sobre a extração de óleo do pinhão manso já soma 16 anos. A meta é incluir todos os pequenos produtores do município no projeto rural, caso a proposta se concretize.

Valdir Correia explica que a semente de pimhão manso rende até 40% do óleo que é próprio para o biocombustível. A colheita, segundo o secretário, é desenvolvida totalmente manual. A equipe técnica da Secretaria trabalha agora nos estudos sobre a possibilidade de implantar o programa nas comunidades rurais de Rondonópolis.


Fonte: 24 Horas News

Brasil é 3° produtor mundial de biodiesel

Em um ano de obrigatoriedade da adição de biodiesel ao diesel, o Brasil já pode comemorar o fato de ser o terceiro maior produtor e consumidor de biodiesel do mundo com uma produção anual de 1,2 bilhão em 2008. A capacidade de produção do combustível alcançou, em janeiro, 3,7 bilhões de litros. Das 51 usinas instaladas no Brasil (dados de janeiro), 91% contam com o Selo Combustível Social.

A partir de um marco regulatório estável e de 13 leilões promovidos pelo governo federal nos três últimos anos, foi possível organizar a cadeia produtiva de forma a garantir o atendimento do mercado com a geração de emprego e renda nas diferentes regiões do País. Houve um aumento da mistura de 2% para 3% já a partir do segundo semestre de 2008, como forma de absorver o crescimento da produção registrado nos últimos anos.

O programa entra agora na fase de consolidação do mercado e da participação da agricultura familiar na produção das diferentes oleaginosas cultivadas no Brasil, visando o cumprimento ou mesmo a antecipação das próximas metas de ampliação da mistura. Atualmente está em análise a antecipação da mistura B4 para vigorar em meados deste ano. Também há a intenção do B5 ser antecipado de 2013 para 2010.

Fonte:Gazeta Mercantil

Brasil já é o terceiro maior produtor e consumidor mundial de biodiesel

Setor sonha com a antecipação do B5 ainda para o ano de 2009, máximo 2010

Em apenas um ano de obrigatoriedade da adição de biodiesel ao diesel, o Brasil já pode comemorar o fato de ser o terceiro maior produtor e consumidor de biodiesel do mundo com uma produção anual de 1,2 bilhão em 2008. A capacidade de produção do combustível alcançou, em janeiro, 3,7 bilhões de litros.

A partir de um marco regulatório estável e de 13 leilões promovidos pelo governo federal nos três últimos anos, foi possível organizar a cadeia produtiva de forma a garantir o atendimento pleno do mercado com a geração de emprego e renda nas diferentes regiões do País. O sucesso do programa pode ser comprovado pelo aumento da mistura de 2% para 3% já a partir do segundo semestre de 2008, como forma de absorver o crescimento da produção registrado nos últimos anos.

O programa entra agora na fase de consolidação do mercado e da participação da agricultura familiar na produção das diferentes oleaginosas cultivadas no Brasil, visando o cumprimento ou mesmo a antecipação das próximas metas de ampliação da mistura. Atualmente está em análise a antecipação da mistura B4 para vigorar em meados deste ano. Também há a intenção do B5 ser antecipado de 2013 para 2010.

Mais uma vez, o Brasil reforça sua vocação de grande produtor de combustível limpo e renovável ao consolidar um programa que proporciona ganhos econômicos, sociais e ambientais ao País.

Fonte: Assessoria MME

ANP: uso de capacidade instalada de produção de biodiesel atinge 86,2%

A utilização da capacidade instalada de produção de biodiesel atingiu 86,2% no mês de fevereiro, de acordo com relatório da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Segundo a agência, a produção de biodiesel em fevereiro foi de 9,8 milhões de litros por dia ante uma capacidade de produção diária de 11,37 milhões de litros. No mês de janeiro, a capacidade ocupada foi de 46% e em dezembro de 2008, a capacidade era ainda menor, de apenas 30%.

Ainda segundo a ANP, do total de biodiesel produzido, 71,16% foi feito a partir de óleo de soja, 24,54% a partir de sebo animal, 3,25% de óleo de algodão e 1,05% de outros materiais. Atualmente, 64 empresas estão autorizadas a produzir biodiesel no Brasil, sendo que 42 estão autorizadas a comercializar o produto.

Fonte:

Ônibus com B20 no Rio

A Fetranspor apresentou para representantes de distribuidoras de combustíveis uma proposta para teste do B20 em 15 ônibus do Rio de Janeiro. Os testes seriam feitos durante um ano. A estimativa é que a implementação do projeto poderá ser um dos diferenciais do estado para a candidatura às Olimpíadas de 2016.

O projeto precisa da aprovação da ANP. A meta é que três empresas de ônibus do Rio de Janeiro participem, cada uma com cinco veículos. Além disso, deve ser elaborado um protocolo de intenções para definir a função de cada setor no programa.

Segundo o gerente de operação da Fetranspor, Guilherme Wilson, a nova proposta será um passo adiante em prol do uso de uma energia alternativa sustentável. Em 2007, foi realizada a experiência de utilizar o B5 nas frotas de ônibus do estado. Para o gerente, a iniciativa interessa também às montadoras de veículos, que têm interesse em testar o uso do biocombustível nos motores.

A reunião contou com a presença do secretário estadual de Transportes, Julio Lopes, de representantes das distribuidoras de combustíveis Ipiranga e BR, e de empresas de ônibus.

Fonte: Energia Hoje

quinta-feira, 26 de março de 2009

Unidade de Biodiesel da Unicentro recebe R$ 300 mil em investimentos

A Miniusina-piloto de Biodiesel da Unicentro (Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná) recebeu R$ 300 mil da Unidade Gestora do Fundo Paraná - Seti/UGF, para ampliação de espaço. Sob coordenação dos professores Paulo Rogério Pinto Rodrigues e Maico Taras da Cunha, o projeto visa a modernização da unidade, atendendo as novas necessidades e exigências do mercado no processo de obtenção dos biocombustíveis.

Atualmente a unidade opera pelo processo tradicional de obtenção de biodiesel e tem capacidade de processar óleos vegetais de soja ou girassol, diretamente após o processo de extração de suas oleaginosas. De acordo com o professor Maico, com o processo de reformulação da unidade, empregando-se novas tecnologias desenvolvidas pelo próprio grupo de pesquisa, será possível o processamento e reaproveitamento de óleos e gorduras residuais, que, atualmente, são matérias primas com custo viável para a produção de biodiesel.

A conclusão das obras de ampliação na unidade estão previstas para o primeiro semestre de 2010.

Fonte: Assessoria de imprensa da Unicentro
Da:

Óleo de dendê do Pará vira biodiesel na Europa

Petrobras pesquisa produção de biodiesel a partir de microalgas

Referência mundial em desenvolvimento tecnológico para produção de biocombustíveis, a Petrobras tenta superar mais uma fronteira na área de energias renováveis. O Centro de Pesquisas (Cenpes) da empresa, em parceria com as universidades federais de Rio Grande e de Santa Catarina, realiza pesquisas para produzir biodiesel a partir de microalgas, que vivem nas águas salinizadas do litoral do Norte e na água proveniente de produção de petróleo do Pólo Industrial de Guamaré.

Cerca de 40 espécies de microalgas já foram coletadas e catalogadas, uma quantidade ínfima, porém, perto das 300 mil existentes no mundo. Destas, apenas 30 mil já foram identificadas. De acordo com Leonardo Bacellar, pesquisador e oceanógrafo da Petrobras, nem todas as espécies catalogadas servem como matéria-prima para a produção de biodiesel. "Ainda não está definido o número de espécies de microalgas que podem ser utilizadas para produzir biocombustível. Mas é conhecido que é uma fonte de energia de alta produtividade", garante.

As microalgas, segundo o pesquisador, se reproduzem de 50 a 100 vezes mais rápido do que os vegetais utilizados normalmente para produção de biocombustíveis, como cana-de-açúcar, mamona, dendê e milho. O mesmo ocorre em laboratórios, mantidas as condições ideais para a reprodução. "A área proporcional ao volume desses organismos microscópicos é muito alta, ou seja, a troca de nutrientes é muito rápida, se comparada a fenômenos de transporte entre estruturas mais complexas, como tecidos, por exemplo", explicou Bacellar.

Os primeiros experimentos para verificação do desempenho e da produtividade das espécies coletadas foram realizados nos laboratórios do Departamento de Oceanografia da Furg. Simultaneamente, amostras de água foram submetidas à análise nos laboratórios de química da Universidade de Rio Grande, para verificar os possíveis efeitos positivos e negativos causados pela atuação das microalgas selecionadas. O passo seguinte foi encaminhar as microalgas para o laboratório de Química Orgânica da Furg, para as etapas de extração de lipídios, síntese, purificação e caracterização química do biodiesel, obtidos por meio de modernos equipamentos de análises químicas.

O processo de produção de biodiesel a partir de microalgas é realizado com a coleta de uma amostra de água salinizada em um tubo de ensaio. O tubo é fechado e levado ao laboratório, onde é colocado em uma estufa com temperatura e iluminação adequadas para manter as algas vivas. Em seguida, ocorre o isolamento e identificação das espécies, geralmente por meio de mapeamento genético. É um trabalho cuidadoso, pois muitas algas contêm toxinas que as tornam impróprias para a produção do combustível.

Depois de isoladas, as diferentes espécies de microalgas são levadas a um tanque cheio de nutrientes para que se reproduzam. As melhores serão as que se reproduzirem mais rápidamente e tiverem maior teor de óleo. Após quatro dias, vão à secagem. Depois de secas, são embaladas para evitar seu contato com a luz e o oxigênio do ar.

Na última etapa do processo, as microalgas secas são colocadas em um reator, que realiza dois processos distintos: a extração do óleo que será utilizado na fabricação do combustível e a transformação deste óleo em biodiesel, por meio de reações químicas. Segundo Bacellar, normalmente o resultado fica em torno de 10% a 20% do total de matéria-prima utilizada. Ou seja, para produzir um litro de biodiesel, são necessários cerca de cinco quilos de microalgas.

Segundo Bacellar, "o futuro dessa novíssima fonte de biocombustível é tão promissor quanto imprevisível. É preciso conhecer melhor o potencial das microalgas e buscar o melhor caminho para explorá-lo. A pesquisa e o desenvolvimento são de médio e longo prazos. Esse novo trabalho está em ebulição. Há um cenário pouco conhecido, dentro do qual temos que buscar o nosso melhor caminho", disse Bacellar. O mais importante, avaliou o pesquisador, "é que a Petrobras tenha enxergado essa nova fronteira. O Brasil verá algo que jamais imaginou", prevê.

Fonte:

Campus Quixadá implantará unidade de produção de biodiesel

Além da produção de biodiesel, o projeto visa a capacitação de alunos e docentes do Instituto e das universidades parceiras (UFC e UESC), para o trato com os óleos vegetais que entram na fabricação do biocombustível.

Implantar uma pequena unidade produtiva de biodiesel no Campus Quixadá do Instituto Federal do Ceará (antigo CEFETCE) para servir de apoio ao treinamento e difusão da tecnologia de produção do biocombustível, utilizando óleos vegetais como matéria prima. Este é o principal objetivo do projeto “Biodiesel e Biodigestão: implantação de dois modelos de produção em pequenas unidades nos Estados da Bahia e Ceará”. O projeto é fruto de parceria entre o Instituto, a UFC e a Universidade de Santa Cruz de Ilhéus – UESC (Bahia).

O projeto está orçado em R$ 499.986,86, advindos do Fundo Setorial do Petróleo e Gás Natural (CT-PETRO), que tem como objetivo estimular a inovação na cadeia produtiva do setor, a formação e qualificação de recursos humanos e o desenvolvimento de projetos. A verba é gerida pela Financiadora de Estudos e Projetos, empresa pública vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia, que gere o Fundo de Financiamento de Estudos de Projetos e Programas de Pesquisa Científica. A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovações (SECTI) do Governo da Bahia investiu R$ 90.850,00 no projeto.

A miniusina do Campus Quixadá servirá de modelo para outras iniciativas de produção do biocombustível, bem como oferecerá metodologias e precauções para a instalação de outras unidades produtivas. Também garantirá a sustentabilidade econômica, visto que estimulará a produção agrícola, para fornecimento dos óleos vegetais, valorizando a mão-de-obra local.

Participam das atividades os professores da área de Química da UESC Rosenira Serpa (coordenadora do projeto), Ana Maria Oliveira, Jaênis Miranda, Mônica de Moura, Sabrine Robra e José Adolfo de Almeida. Pela UFC, integram o projeto os professores de Engenharia Química Antônio Eurico, Mônica Castelo, Estélio Menezes e Andréa Prudente. Pelo Campus Quixadá, fazem parte das atividades os professores da área de Química Assis Rocha (Gerente de Ensino da instituição e co-executor do projeto) João Carlos Assunção, Aline Santos, Suzana Aguiar e Arquimedes Maia. Pela Tecnologia Bioenergética (TECBIO) do Ceará, participa Expedito Parente Jr.

No Campus Quixadá, além dos docentes, integram o grupo de pesquisa alunos do Curso Superior de Licenciatura em Química e o Curso Técnico de Química Industrial (cuja aula inaugural ocorreu dia 18), agricultores, agentes rurais e técnicos da área da Petroquímica e do Biodiesel. Entre as empresas que apóiam o projeto, pode-se citar o Departamento Nacional de Obras contra as Secas (DNOCS), o Centro de Ensino Tecnológico (CENTEC) e a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMATER).

“O projeto Biodiesel e Biodigestão, implantado nos Estados da Bahia e Ceará, coloca-se como de grande importância em termos econômicos, sociais e ambientais. A cadeia produtiva do biodiesel promove a geração de renda, com inclusão social, através da produção de mamona e dendê. Frente às potencialidades do biocombustível na região Nordeste, o modelo de produção descentralizada aparece como uma importante alternativa”, afirmou a Coordenadora do projeto, professora Rosenira Serpa.

Projeto inclui cursos sobre tratamento de óleos vegetais

Docentes, técnicos da área e agricultores da região do Sertão Central cearense e de Taperoá (BA) são beneficiados com cursos sobre o trato com óleos vegetais. Os cursistas adquirem noção básica sobre a produção e qualidade do óleo para o biocombustível e evidenciam a importância desse combustível renovável para a matriz energética.

Foram realizados cursos sobre o plantio, beneficiamento e co-produção do dendê e da mamona, bem como de controle de qualidade de óleos e biodiesel. Os cursos foram realizados na cidade de Tauá (Ceará) e Taperoá (Bahia) no ano de 2006. Em 2008, aconteceu o curso “Qualidade de óleos vegetais e biodiesel” no então CEFETCE de Quixadá. Participaram técnicos indicados pela Prefeitura do município e pela Petrobras, e alunos de Licenciatura em Química do Campus Quixadá. Em 2009, pretende-se ofertar outros cursos sobre a qualidade de óleos vegetais para produtores e alunos.

No Campus Quixadá, os professores que integram o projeto, apresentam Dedicação Exclusiva, e constituíram um grupo de pesquisa intitulado “Bioenergia e meio ambiente”, que tem como linhas de pesquisa a produção de biodiesel, a otimização e controle de plantas de biodiesel por via enzimática, o estudo da viabilidade técnica e econômica de matérias-primas para a produção de biodiesel.

Fonte: AVOL

Transpetro amplia tancagem de biodiesel

A Transpetro prevê concluir até junho a construção de dois tanques atmosféricos cilíndricos verticais para transporte e armazenamento de biodiesel, no Terminal de Jequié, Bahia. Com investimento de R$ 8 milhões, os tanques classe IIIB (TQ-5110 e TQ-5111) terão capacidade nominal de armazenamento de 230 mil litros do biocombustível cada.

A subsidiária da Petrobras está ampliando a tancagem de biodiesel para dar conta da previsão do aumento do mercado, com a elevação do percentual de adição de biodiesel ao óleo diesel. Hoje, o combustível é armazenado temporariamente em um reservatório de pequena capacidade, enquanto não são construídos os tanques definitivos.

O biodiesel armazenado vem de diversas usinas, sendo a principal fonte o terminal de Candeias. O biocombustível armazenado no Terminal de Jequié é vendido às distribuidoras, juntamente com o diesel mineral, no momento do carregamento das carretas, quando é feita a mistura no teor de 3% (B3) para atendimento dos postos da região.

Fonte: Energia Hoje

Explosão de tanque com glicerina deixa três mortos em Goiás

Os funcionários da fábrica soldavam o reservatório na hora do acidente.
Segundo os bombeiros, a tragédia poderia ter sido ainda maior.
Três funcionários de uma fábrica de biodiesel morreram na noite de segunda-feira (23) depois que um tanque com glicerina explodiu na cidade de Formosa, em Goiás.

A área foi isolada por bombeiros e policiais militares. A explosão deformou um tanque. Os funcionários que soldavam o reservatório foram arremessados a 100 metros de distância. Dois morreram na hora. Um outro chegou a ser socorrido, mas também não resistiu.

“O Samu chegou e conduziu ele para o hospital. Mas, infelizmente, essa terceira vítima também foi a óbito”, afirma o tenente Jânio, da Polícia Militar de Goiás.

“O incêndio se alastrou somente por meio da glicerina que vazou pelas fissuras causadas no tanque, mas foi imediatamente controlado com água e espuma e também pela utilização de extintores da própria empresa”, explica o tenente Antônio Moura, do Corpo de Bombeiros.

O Instituto Médico Legal de Formosa ainda não identificou os três corpos.

Fonte:

Petroleiros de usina de biodiesel em MG aderem à greve

Rio - A Federação Única dos Petroleiros (FUP) informou hoje que os trabalhadores da usina de biodiesel de Montes Claros (MG) aderiram à greve nacional dos petroleiros, que se iniciou nesta semana. A informação foi confirmada pelo Sindicato dos Petroleiros de Minas Gerais (Sindipetro-MG) à FUP. De acordo com a federação, com a paralisação, os trabalhadores interromperam a produção da unidade.

Em comunicado, a FUP confirma que, juntamente com o sindicato dos petroleiros, prossegue em negociação com a Petrobras, na manhã de hoje, para o fim da greve. A entidade afirmou que o movimento grevista dos petroleiros prossegue e será reavaliado somente na sexta-feira (dia 27), último dia previsto para a paralisação.

Ontem, terminou sem acordo a reunião entre Petrobras e sindicatos dos petroleiros a respeito da pauta de reivindicações que motivou a greve. Entre as reivindicações dos petroleiros, estão a garantia de postos de trabalho nas empresas contratadas pela Petrobras e pagamento de horas extras dos feriados trabalhados; e o debate sobre uma nova distribuição na Participação nos Lucros e Resultados (PLR) da empresa.

Segundo informações da FUP, os trabalhadores da BR Distribuidora avaliam hoje indicativo do Sindicato de Trabalhadores no Comércio de Minérios e Derivados de Petróleo (Sitramico-RJ) de paralisação de 24 horas na próxima sexta-feira (dia 27), em apoio à greve dos petroleiros.

De acordo com apurações da FUP, os petroleiros de todas as unidades de refino estão parados, sendo que o mesmo ocorre com os trabalhadores de grande parte dos terminais, oleodutos e gasodutos da Petrobras Transporte. A FUP informou também ter recebido adesão dos petroleiros da Replan, de Mossoró e do Alto do Rodrigues (RN), e das plataformas do Ceará, de São Mateus e Linhares (ES).

Em nota, a Petrobras destacou que, até a noite de ontem, a produção está mantida nas refinarias e nas plataformas da empresa, inclusive na Bacia de Campos, no Rio, responsável por 85% do petróleo produzido no Brasil pela Petrobras. Segundo a estatal, os terminais também funcionam normalmente e o escoamento da produção e a entrega dos produtos ocorreram dentro da normalidade. De acordo com a estatal, nas refinarias a produção de derivados não foi afetada.

Fonte:

Petrobras deve investir US$ 158 bilhões no Brasil nos próximos cinco anos

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Estudo de pinhão-manso avança para produção de biodiesel em RO

O projeto de avaliação do pinhão-manso (Jatropha curcas) para a produção de biodiesel em Rondônia será avaliado esta semana em Ariquemes, a 198 km da capital. Os pesquisadores da Embrapa/RO vão colher frutos de plantas cultivadas há três anos em Ariquemes.

O experimento vai avaliar a produtividade da espécie, o teor de óleo nas sementes, a vulnerabilidade a doenças e contribuir para a implantação e o desenvolvimento do cultivo no Estado.

Os estudos com pinhão-manso (Jatropha curcas) esclarecem sobre o sistema de produção de biodiesel. A espécie tem potencial para a produção de combustível no Brasil, por conter alto teor de óleo nas sementes e resistir em condições de plantio.

Análise

Análises em laboratório vão identificar a genética das plantas cultivadas na unidade de observação estudada por pesquisadores da Embrapa de Ariquemes. É o início do processo de melhoramento genético da espécie. Segundo os pesquisadores, a planta está em fase de domesticação porque não existe cultivo de pinhão-manso que garanta plantio seguro.

De acordo com o pesquisador da Embrapa/RO, Rodrigo Barros Rocha, há longo período de estudo para se produzir a cultura em larga escala. Rocha explicou que os dados são preliminares, mas que permitirão estimativas de colheita e fazer recomendações para produção de mudas.

Fonte: Portal Amazônia

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

ANP quer investir em pesquisas na área de biodiesel

05/01/09 - A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) pretende usar em 2009 parte de sua dotação para pesquisa também em projetos de biodiesel. A intenção da ANP é acelerar o processo de redução da dependência que o Brasil ainda tem da soja para a produção do biocombustível.

Entre os focos das pesquisas estará o uso do pinhão-manso com matéria-prima. "Ele não é usado para nada, não serve como alimentação nem disputa área com os alimentos", diz Edson Silva, diretor de abastecimento da ANP. "O que o pinhão-manso precisa é escala".

Por lei, as empresas petroleiras destinam à agência 1% da receita com a exploração de grandes campos. Os recursos são reservados para projetos de pesquisa e desenvolvimento na área de combustíveis. Metade dessa verba é utilizada em projetos de pesquisa desenvolvidos pelas próprias companhias. A outra metade destina-se a estudos que têm universidades e institutos de pesquisa à frente.

Hoje, apenas projetos ligados à cadeia petrolífera têm sido financiados por essa verba, segundo Silva. "Mas não há impedimento para o uso dos recursos também no biodiesel. A agência é de petróleo, gás natural e biocombustíveis", diz. Em 2008, o 1% recolhido pela ANP representou cerca de R$ 950 milhões.

O programa brasileiro de biodiesel surgiu com a bandeira de incentivo à adoção da mamona como matéria-prima, alternativa então tida pelo governo como a ideal para a participação da agricultura familiar na recém-nascida indústria. No entanto, a baixa produtividade e a produção concentrada na agricultura de pequena escala mantiveram as usinas afastadas da oleaginosa. A própria ANP editou em 2008 uma resolução em que considerou a viscosidade da mamona imprópria para a produção de biodiesel sem a adição do óleo de outras matérias-primas.

A redução da dependência da soja, matéria-prima de mais de 70% da produção nacional de biodiesel, é um dos dois desafios do setor neste ano, avalia Silva. "É natural que a soja tenha surgido como fonte principal: ela tem uma estrutura bem montada, profissional e tem escala, mas precisamos diversificar as matérias-primas".

O segundo desafio, diz o executivo, é o da redução dos custos. O recurso exigido para a produção de um litro de biodiesel é mais alto que o de um litro de diesel convencional. "Mas é um preço que, acredito, a sociedade está disposta a pagar. O biodiesel é um combustível renovável, agride menos o meio ambiente - o que pode reduzir os gastos do Estado com saúde - e, por ser produzido aqui, diminui nossa dependência do diesel importado", disse. "O custo não pode inibir o aumento do percentual de adição obrigatória".

No dia 1º de janeiro, a mistura compulsória de biodiesel com diesel à base de petróleo completou um ano. Com obrigatoriedade inicialmente estabelecida em 2%, a adição passou a 3% em julho, embora a indústria tenha mantido a expectativa de elevação para 5% ainda em 2008. O cronograma prevê elevação a esse patamar apenas em 2013.

De forma surpreendente, avalia Silva, os maiores entraves do programa ocorreram na primeira metade do ano, quando ainda vigorava a mistura de 2%. "Os seis primeiros meses foram razoáveis. Não houve problemas de abastecimento, mas de entrega e de pagamento. O programa era muito recente e o mercado ainda estava se adaptando a ele".

No primeiro semestre, foi necessária a realização de quatro dos chamados leilões de segurança - diferentemente dos leilões convencionais, realizados pela ANP, os de segurança são feitos pela Petrobras para recomposição de estoques. No segundo semestre, apenas duas dessas rodadas adicionais foram exigidas, afirma Silva.

Já em seu primeiro ano, o uso obrigatório de biodiesel no Brasil foi marcado também pelos problemas financeiros da Agrenco e da Brasil Ecodiesel, então a maior empresa do setor no país. "No começo houve uma canibalização de preços muito grande. Não é juízo de valor, mas uma constatação: quem foi mais arrojado se deu pior e as mais cautelosas, muitas vezes, até anteciparam entregas", disse. Apesar dos problemas, no intervalo de 12 meses, o número de usinas autorizadas a operar passou de 43 para 62 e a capacidade instalada do setor cresceu de 2,42 bilhões para 3,76 bilhões de litros.

Fonte: - Patrick Cruz