sábado, 3 de fevereiro de 2007

Biodiesel tratado de forma imoral

O Sr. Fernando Carvalho - Diretor-presidente da Repom em matéria da Gazeta Mercantil, traça uma visão um tanto quanto equivocada do que é uma Federação.

No texto ele faz uma defesa do que chama de “regionalização do Biodiesel”. O biodiesel deveria não ter percentuais mínimos e sim máximos de acréscimos da mistura com o diesel para possibilitar, segundo ele uma melhor logística de distribuição do produto dentro do país. Ou seja, região que pode produzir biodiesel deve consumi-lo por um menor preço, quem não puder paga um preço maior.

Isso é um dos maiores absurdos que ouvi alguem falar nos últimos tempos, é propor o fim do pacto de federabilidade vigente no país.

Seguindo essa lógica torta do Sr. Fernando, ainda no âmbito do universo de abastecimento dos combustíveis, o Rio de Janeiro e São Paulo deveriam pagar muito menos pelo combustível consumido do que os demais estados da federação e o Note do país, este então, deveria pagar um preço astronômico, tudo isso em prol da logística de distribuição defendido por ele. No final das contas, essa sua lógica diz basicamente o seguinte: as partes desenvolvidas do país poderiam se desenvolver mais enquanto as mais pobres, essas que tratem de arranjar meios para o seu proprio desenvolvimento.

Quando ele diz “Haverá um regulamento de "faz-de-conta", campo fértil para ineficiência e corrupção”, mostra claramente a sua visão de país: quem é rico deve ficar mais rico; quem é pobre “que se exploda”.

Segue nosso caro Fernando com sua logica: “O segundo fator que viabiliza a adoção do biodiesel, é a questão ambiental. Nesse contexto, qual é a lógica de se usar mais diesel fóssil no Norte para trazer para o Sul o biodiesel que lá poderia ser consumido?”

Essa visão de País é uma visão atrasada e retrograda, que não condiz com nada do proposto pelo governo federal no seu programa de biodiesel.

Do Autor do Blog

2 comentários:

rubens naves disse...

Sr Manoel,

O sr. acha logico trazer todo esse biodiesel produzido no norte para o Sudeste, para depois leva-lo para o norte outra vez e consumi-lo la?

Nao seria muito mai interessante consumi-lo perto de onde é produzido prefetencialmente?

O sr se esqueceu que esse problema ja existe com o Diesel fossil! o sr sabia que um litro de diesel no MT custa ate r$2,15 e no sudeste custa em varios locais menos que r$1,80?

Anônimo disse...

cara, voce é muito burro! Fecha esse blog!