sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Falta investimento em pesquisa para viabilizar o biodiesel

04/09/08 - Criado há mais de 30 anos, o Pró-álcool, depois de muita instabilidade, transformou-se em uma das alternativas mais viáveis de produção de energia do mundo. O desenvolvimento tecnológico e a alta produtividade das lavouras de cana-de-açúcar têm garantido ao etanol espaço de destaque nas discussões sobre energias limpas. Da mesma forma, o produto já foi acusado de provocar a crise de alimentos no mundo todo, já que em alguns países o etanol é produzido a partir do milho. Para combater esse preconceito, governo e produtores têm investido na exportação de tecnologia e equipamentos, demonstrando que o etanol de cana-de-açúcar é um combustível que poderá, em algum momento, substituir os derivados de petróleo.

Na esteira desse movimento, está o programa de biodiesel, mas com várias ressalvas. A principal delas é a falta de investimento em pesquisas para se determinar a matéria-prima ideal para produzir o biodiesel. Segundo o presidente executivo da União dos Produtores de Bioenergia, Antonio Cesar Salibe, o governo federal precisa centralizar esses estudos a fim de dar ao biodiesel as mesmas oportunidades que foram dadas ao etanol, tornando-o um produto apto à economia de mercado.

Para falar sobre o tema, Salibe concedeu entrevista ao programa Panorama do Brasil, apresentado por Roberto Müller e que irá ao ar hoje pela TVB. Participam também da entrevista, a diretora de redação do DCI, Márcia Raposo, e Milton Paes, da rádio Nova Brasil FM.

Veja a Matéria aqui

Fonte: - Laelya Longo e Julia Aronchi - 25/08

Da Agência

Um comentário:

Dagloman disse...

Very cool, I have many biodiesel friends in Brasil. I build biodiesel processors which turn waste vegetable oil into biodiesel. It is really amazing how simple the process is, as well as saving the customer $2-3 per gallon at the pumps. Algae biodiesel looks even more promising. As the other poster said, we just need to keep moving in the right direction.